Segurança Social OCDE quer TSU reduzida para todos os salários baixos

OCDE quer TSU reduzida para todos os salários baixos

Numa altura em que a discussão em torno da TSU agita as hostes políticas, a OCDE vem a Portugal defender que os patrões paguem menos Segurança Social por todos os trabalhadores com salário mínimo, e de forma permanente.
OCDE quer TSU reduzida para todos os salários baixos
Miguel Baltazar/Negócios
A taxa de 23,75% de Segurança Social exigida aos patrões é alta à escala internacional e, se dependesse da OCDE, o ideal teria sido avançar com a polémica redução da taxa social única (TSU) apresentada por Passos Coelho e que levou milhares de portugueses à rua. Como a medida ficou – "infelizmente" - pelo caminho, e continua a ser necessário aliviar os custos laborais das empresas, o organismo internacional defende que o Governo baixe as contribuições patronais sobre todos os salários mínimos.

A opinião da OCDE consta do estudo sobre as reformas do mercado de trabalho empreendidas por Passos Coelho e a troika entre 2011 e 2015 – divulgado há um mês – cuja versão oficial é apresentada esta quinta-feira  num evento organizada pelo ministério de Vieira da Silva.

O organismo liderado pelo mexicano Angel Gurria considera que Portugal está entre os países que mais onera as empresas com contribuições para a Segurança Social. A situação retira-lhes competitividade e inibe novas contratações, mas é especialmente problemática num contexto em que se prevêem subidas sucessivas do salário mínimo nacional (SMN) até aos 600 euros até 2019.

Não é nenhuma proposta, é uma ideia de discussão. Vieira da Silva
Em Dezembro, referindo o facto de vários países europeus terem uma TSU mais baixa para baixos salários e baixas qualificações

Para remediar esta situação, propõe-se que Portugal baixe a TSU sobre os salários mínimos, à semelhança do que já fazem, por exemplo, a França, a Hungria, a Bélgica e o Reino Unido. A medida é diferente da que vem sendo implementada nos últimos anos, porque seria geral, permanente e para todos os salários mínimos (incluindo novas contratações).

Esta é entendida como uma solução de recurso, já que, ideal mesmo teria sido a descida da TSU defendida por Passos Coelho. Igualmente positiva seria uma redução geral dos descontos feitos pelos patrões, mas que, nesta fase, não passaria o teste das restrições orçamentais, reconhece a instituição.

Há três semanas Vieira da Silva colocou a questão da redução da TSU para os menos qualificados no plano de uma eventual discussão. "É uma orientação muito seguida no espaço da União Europeia o facto de as contribuições sociais para os trabalhadores com baixas qualificações e baixos salários serem mais reduzidas", disse, numa conferência do Eco. "Não é nenhuma proposta, é uma ideia de discussão que por ser membro do Governo não estou impossibilitado de ter", frisou, aos jornalistas.



A sua opinião156
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado semcrer 19.01.2017

A ser verdade esta 'indicação' da OCDE é perfeitamente absurda, assim como já era a proposta do 'defunto' PPC!

As implicações de tal medida:

- Tendência para concentrar salários onde a TSU seja mais baixa -----> redução do salário médio dos portugueses especialmente dos mais jovens a entrar no mercado de trabalho;

- Agravamento óbvio da situação financeira da Seg. Social.

Benefícios ???? mais investimento, mais emprego ???? tenho sérias dúvidas!

Sugiro que façam um estudo e REDUZAM as contribuições dos salários MAIS ALTOS, superiores a 3500 euros (educated guess), e não tenham medo de plafonar as pensões futuras!

comentários mais recentes
JCG 19.01.2017

Pois a OCDE tem toda a razão... salários baixos reduzem a esperança de vida (isto já foi investigado e demonstrado nos EUA), logo os trabalhadores trabalham até morrer e por conseguinte não vão ficar muito tempo a receber pensão de reforma, logo pode-se cortar na TSU e para os que sobreviverem mais algum tempo logo se verá... mais dia menos dia até é capaz de apoarecer a ideia da eutanásia social.

semcrer 19.01.2017

A ser verdade esta 'indicação' da OCDE é perfeitamente absurda, assim como já era a proposta do 'defunto' PPC!

As implicações de tal medida:

- Tendência para concentrar salários onde a TSU seja mais baixa -----> redução do salário médio dos portugueses especialmente dos mais jovens a entrar no mercado de trabalho;

- Agravamento óbvio da situação financeira da Seg. Social.

Benefícios ???? mais investimento, mais emprego ???? tenho sérias dúvidas!

Sugiro que façam um estudo e REDUZAM as contribuições dos salários MAIS ALTOS, superiores a 3500 euros (educated guess), e não tenham medo de plafonar as pensões futuras!

Anónimo 19.01.2017

Há instituições para tudo.
Não acredito que a OCDE recomende a medida como nos está a ser vendida.
Se assim for, vai ser a miséria para os europeus.
Pensemos seriamente em votar em partidos que acabem com a UE.

anonimo 19.01.2017

Se reduzirem a TSU a ordenados baixos têm de lhes reduzir as reformas, de outra maneira a seg social estoura.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub