Justiça Odebrecht e Braskem pagam coima de 2 mil milhões por recurso a corrupção

Odebrecht e Braskem pagam coima de 2 mil milhões por recurso a corrupção

A construtora Odebrecht e a sua filial petroquímica Braskem assumiram culpas em processos judiciais nos Estados Unidos e na Suíça. E serão agora obrigadas a pagar uma coima total no valor de 2 mil milhões de euros.
Odebrecht e Braskem pagam coima de 2 mil milhões por recurso a corrupção
Bloomberg
Negócios 21 de dezembro de 2016 às 17:41

A construtora brasileira Odebrecht e a sua filial do sector petroquímico Braskem consideraram-se culpadas, perante um tribunal norte-americano, da violação das leis dos Estados Unidos. As empresas recorreram a subornos para garantirem um negócio superior a 3 mil milhões de dólares.

 

O acordo foi alcançado no âmbito da Operação Lava-Jato e envolve as autoridades judiciárias dos Estados Unidos, da Suíça e também do Brasil, e implica que as duas empresas paguem uma coima total de 6,9 mil milhões de reais (1,97 mil milhões de euros) para verem suspensos os processos judiciais em curso e que poderiam culminar em julgamentos ao recurso a práticas de corrupção, nomeadamente subornos.

 

No passado dia 14, a Braskem, empresa que é controlada pela Odebrecht e pela Petrobras, chegou a acordo com o Ministério Público brasileiro para o pagamento de uma coima de 3,1 mil milhões de reais (887,2 milhões de euros), estando aí incluído o valor a entregar às autoridades norte-americanas, dado que as acções da cotada brasileira são também transaccionadas na bolsa de Nova Iorque.

 

Também a Odebrecht chegou a acordo com o Ministério Público do Brasil para pagar uma coima de 3,8 mil milhões de reais (acima de mil milhões de euros), a maior indemnização paga por uma empresa brasileira no seguimento de ima investigação sobre corrupção, escreve O Globo.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub