Orçamento do Estado OE deixa de fora fim do corte do subsídio de desemprego e subida da derrama no IRC

OE deixa de fora fim do corte do subsídio de desemprego e subida da derrama no IRC

Pelo menos por agora, o Governo decidiu não avançar com duas medidas reivindicadas pelos parceiros políticos. Soluções podem ser retomadas no debate parlamentar.
OE deixa de fora fim do corte do subsídio de desemprego e subida da derrama no IRC
Bruno Simão
O fim do corte de 10% no subsídio de desemprego e o agravamento da derrama sobre os lucros das empresas não fazem parte da proposta de Orçamento do Estado para 2018. Esta foi a posição assumida pelo Governo, apesar de as duas medidas fazerem parte da lista de soluções dos partidos que o suportam na Assembleia. Segundo o Negócios apurou, as medidas podem no entanto vir a ser incluídas no documento durante o debate no Parlamento.

A eliminação do corte de 10% do subsídio de desemprego "não está neste momento inscrita no documento porque não foi uma das medidas que o Governo adoptou na área da protecção social", explicou o ministro das Finanças, Mário Centeno, na conferência de apresentação do Orçamento do Estado para 2018.

A medida chegou a estar prevista, tal como o Negócios noticiou, mas acabou por não avançar. 

Também o agravamento da derrama para empresas com lucros acima de 35 milhões ficou fora da proposta que esta sexta-feira deu entrada no Parlamento. 

No entanto, tanto num caso como noutro não é de excluir que as duas medidas venham a ser introduzidas no documento durante o debate na especialidade. 

O Negócios avançou na tarde de sexta-feira que ficou assumido com o PCP que derrama entrará mais tarde no documento. Fontes parlamentares disseram ao Negócios já à noite que no caso do fim do corte de 10% no subsídio de desemprego o mesmo pode vir a acontecer.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub