Autarquias Oeiras e Setúbal falham reporte orçamental desde o início de 2017

Oeiras e Setúbal falham reporte orçamental desde o início de 2017

Desde o início do ano, as autarquias de Oeiras e Setúbal ainda não reportaram qualquer informação sobre execução orçamental. Esta falta é revelada pela DGO, que identifica em Maio um conjunto de 11 câmaras faltosas.
Oeiras e Setúbal falham reporte orçamental desde o início de 2017
Bruno Simão/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 27 de junho de 2017 às 17:28
As autarquias de Oeiras e Setúbal ainda não reportaram qualquer informação sobre a execução dos seus orçamentos desde que começou o ano de 2017. Esta falta de informação consta do boletim da Direcção-Geral do Orçamento (DGO) publicado segunda-feira, 26 de Junho, e impede as Finanças de ter dados reais completos para apurar as contas das autarquias.

"Para os municípios de Oeiras e Setúbal foi utilizada a execução orçamental homóloga em virtude dos mesmos não terem realizado qualquer reporte em 2017", lê-se na informação da DGO. 

Estes dois municípios fazem parte de um grupo de 11 que em Maio falharam a entrega dos dados da execução orçamental pelos canais de reporte definidos na lei.

Além de Oeiras e Setúbal, fazem parte da lista de faltosos os municípios de Amadora, Constância, Fronteira, Melgaço, Reguengos de Monsaraz, Vieira do Minho, Vila Flor, Vila Nova de Paiva e Vila Real de Santo António.

Todos os meses as 308 autarquias têm de enviar dados referentes à execução dos seus orçamentos para a Direcção-Geral das Autarquias Locais (DGAL), através do Sistema Integrado de Informação das Autarquias Locais. É à DGAL que a DGO vai buscar a informação que, depois de compilada, permite perceber como estão as contas das câmaras ao longo do ano.

Nos meses anteriores, o boletim da DGO assinala outras câmaras que estão a falhar a informação, mas apenas Oeiras e Setúbal são os grandes ausentes desde que arrancou o ano.

A falha desta informação leva a DGO a fazer uma estimativa com base em resultados anteriores. Assim, para os primeiros cinco meses do ano, a DGO estima que as autarquias tenham conseguido um excedente de 603,2 milhões de euros. Este resultado é bem melhor do que o observado no mês anterior (quando o saldo positivo foi de 163,1 milhões de euros), ficando, porém, ligeiramente abaixo do registado em igual período do ano passado (quando ficou em 613,2 milhões de euros).

O saldo real apurado pela DGO, que tem em conta apenas as autarquias que reportam informação orçamental, é mais baixo, ficando pelos 563,8 milhões de euros.   

Para o conjunto do ano, as Finanças prevêem um excedente de 1.020,4 milhões de euros, o que pressupõe uma melhoria face aos 662,2 milhões de euros registados no ano passado.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump Há 4 semanas

Coitado,ja parece 1 galinha sem cabeca.Desde q os cegos abriram os olhos perante o ouro q este ze ninguem tentava dar de mao,comecou a fazer o trabalho das dezenas de secretarios de estado.Caminho cada vez mais afunilado para estes azelhotas.Nota-se mesmo q o estado de graca anda pela hora da morte.

pub