Finanças Públicas Oficial: Défice revisto em baixa para 2%

Oficial: Défice revisto em baixa para 2%

Afinal o défice orçamental de 2016 foi mais baixo do que tinha sido reportado inicialmente. Esta manhã, o INE anunciou uma revisão em baixa do saldo para 2% do PIB.
Oficial: Défice revisto em baixa para 2%
Bruno Simão/Negócios
Nuno Aguiar 12 de abril de 2017 às 11:03
Antes já era o défice mais baixo da democracia e agora essa posição fica reforçada. O Instituto Nacional de Estatística (INE) publicou hoje a revisão em baixa do indicador, passando-o dos anteriores 2,06% para 2,01% do PIB. Depois de validado pelo Eurostat, este será o valor que a Comissão Europeia terá de avaliar quando decidir se Portugal permanece ou sai do Procedimento dos Défices Excessivos (PDE).

O INE justifica esta revisão extraordinária com a identificação de um erro informativo em relação aos dados das autarquias. "No prosseguimento dos trabalhos associados à notificação do PDE, publicada em 24 de Março e enviada ao Eurostat, foi detetado um erro na apropriação da informação relativa à Administração Local com impacto significativo na necessidade de financiamento das Administrações Públicas. Assim, em conformidade com o disposto na sua Política de Revisões o INE procedeu a uma revisão extraordinária", pode ler-se no destaque. 

A revisão implica assim uma melhoria de 84,9 milhões de euros do saldo das Administrações Públicas, o que equivale a 0,05% do PIB. Como o défice reportado anteriormente era de 2,06%, isso implica uma revisão em baixa do mesmo para 2,01%.



O Negócios já tinha escrito na semana passada que o valor inicialmente publicado para 2016 tinha sido penalizado por uma alteração de regras do Eurostat em relação a receitas e despesas relacionadas com fundos comunitários, bem como uma revisão em alta do investimento das autarquias. Se fossem alisadas todas estas diferenças estatísticas face a 2015, o défice do ano passado teria ficado próximo de 1,9% do PIB.

O tema voltou à discussão este fim-de-semana, quando Marques Mendes, no seu comentário semanal, disse ter informação de que o INE se preparava para fazer uma revisão em baixa do valor de défice que tinha reportado dias antes para 2%. 
Com este resultado, ganha força o argumento do Governo de que teria cumprido a meta de défice exigida por Bruxelas (2,5% do PIB) mesmo sem medidas extraordinárias, que a UTAO e a Comissão Europeia avaliam em 0,3% e o Conselho das Finanças Públicas em 0,4%.

Além disso, este resultado deixa também Portugal mais perto de sair do Procedimento dos Défices Excessivos (PDE), decisão que terá de ser tomada pela Comissão Europeia em Maio.

Ainda assim, o INE avisa que os dados tanto de 2015 como de 2016 são ainda preliminares. No caso do ano passado, falta ainda a informação relativa à Conta Geral do Estado e a muitas entidades que estão no perímetro das Administrações Públicas.

A sua opinião55
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Até parece que já temos contas públicas ciclicamente equilibradas e que a próxima Nokia, Philips, Novartis, Foxconn ou Sanofi vai ser fundada em Portugal. O provincianismo bacoco do costume e suas vistas curtas.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

O hospital psiquiátrico agora já dá acesso à Internet para estes líricos ensandecidos virem para aqui escrever poemas lunáticos?

Anónimo Há 2 semanas

A economia não são contas de contabilista. As contas de contabilista podem-se aldrabar, manipular e martelar de diversas maneiras de modo a apresentar valores dentro dos parâmetros que bem se quiser e desejar. O que interessa e conta em economia não são estas operações meramente contabilísticas mas sim os modelos de várias variáveis que resultam em criação sustentável de valor ou em extracção insustentável do mesmo e que pesarão sempre sobre os níveis futuros de sustentabilidade de um Estado, competitividade de uma economia e equidade de uma sociedade. Contas de merceeiro favoráveis e escrituração self-service muito bonitinha até os maiores esquemas Ponzi ou as maiores burlas na história das fraudes económico-financeiras da humanidade souberam produzir. Muitas vezes sem sequer violar qualquer regra ou norma contabilística que seja.

Anti-Xulos Há 2 semanas

Repentista deixa de mamar na teta do Estado e vai mamar na quinta pata do Cavalo poupavas muito dinheiro aos contribuintes!

COM JEITINHO AINDA VAI A ZERO Há 2 semanas

Com um gov de aldrabices e mentiras e um presidente chanfrado vamos a caminho do inferno. O Diabo não vem, nós é q vamos ter com ele.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub