Justiça Operação Fizz: Orlando Figueira diz que vai prestar declarações

Operação Fizz: Orlando Figueira diz que vai prestar declarações

O procurador Orlando Figueira, acusado de corrupção passiva, branqueamento de capitais e violação de segredo de justiça no âmbito da Operação Fizz, afirmou esta segunda-feira à chegada ao tribunal que pretende prestar declarações e reafirmou a sua inocência.

Lusa 22 de janeiro de 2018 às 10:17
À chegada ao Campus da Justiça, onde esta segunda-feira, 22 de Janeiro, começa este julgamento, que tem também como arguidos o ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente, o advogado Paulo Blanco e o empresário Armindo Pires, Orlando Figueira (na foto) confirmou que a medida de coação a que está sujeito só permite que possa falar com os familiares.

O pedido de separação de processo do ex-vice-presidente angolano, proposto pela defesa e recusado pelo Ministério Público, deverá ser uma das questões prévias a ser analisada pelo colectivo de juízes.

Manuel Vicente, que à data dos factos era presidente da Sonangol, é acusado de ter corrompido Orlando Figueira para que o então procurador do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) arquivasse dois inquéritos, um deles o caso Portmill, relacionado com a aquisição de um imóvel de luxo no Estoril.

Manuel Vicente está acusado por corrupção activa em co-autoria com os arguidos Paulo Blanco e Armindo Pires, branqueamento de capitais em co-autoria com Paulo Blanco, Armindo Pires e Orlando Figueira e falsificação de documento com os mesmos arguidos.

O ex-procurador do DCIAP está pronunciado por corrupção passiva, branqueamento de capitais, violação de segredo de justiça e falsificação de documentos, o advogado Paulo Blanco por corrupção activa em co-autoria, branqueamento também em co-autoria, violação de segredo de justiça e falsificação documento em co-autoria.

O empresário Armindo Pires, que o MP diz ser o 'testa de ferro' de negócios de Manuel Vicente, vai responder em julgamento por corrupção activa em co-autoria com Paulo Blanco e Manuel Vicente, branqueamento de capitais em co-autoria com Manuel Vicente, Paulo Blanco e Orlando Figueira e falsificação de documento com co-autoria com os mesmos.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
joaoaviador 22.01.2018

Todos a prestar declarações, todos inocentes. Cá, como a justiça não passa de uma lotaria com toga, é fácil adivinhar a quem vai calhar a sorte.

Camponio da beira 22.01.2018

SE a nossa justiça é o segundo maior empregador europeu na área, se temos muitos magistrados e muito bem pagos e justiça não funciona, pergunto:Quantos orlandos figueira haverá em Portugal?

pub