Justiça Operação Lex: Interrogatórios terminaram cerca das 23:30 e prosseguem pela manhã

Operação Lex: Interrogatórios terminaram cerca das 23:30 e prosseguem pela manhã

Os primeiros interrogatórios aos cinco detidos na 'Operação Lex' terminaram na quarta-feira cerca das 23:30 e prosseguem hoje pela manhã, pelas 10:00, no Supremo Tribunal de Justiça, em Lisboa.
Operação Lex: Interrogatórios terminaram cerca das 23:30 e prosseguem pela manhã
Jorge Godinho/Correio da Manhã
Lusa 01 de fevereiro de 2018 às 01:03

Os cinco detidos, entre eles um oficial de justiça, dois advogados e o filho de um destes, que foram presentes ao juiz conselheiro Pires da Graça ao início da noite de quarta-feira, estão entre os 12 arguidos do processo, que incluem também os juízes desembargadores Rui Rangel e Fátima Galante, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e o vice-presidente do clube, Fernando Tavares.

 

Os detidos, acompanhados dos respectivos advogados, chegaram ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ) pouco depois das 18:30 e depois de preenchida documentação relativa ao processo começaram a ser identificados, cerca das 20:00, segundo informações recolhidas pela Lusa no local.

 

Cerca das 21:15 saiu um dos advogados no processo, António Pinto Pereira (cujo cliente que representa é ainda desconhecido), que disse aos jornalistas que ia "comer qualquer coisa rápido" e afirmou que "os trabalhos estavam a decorrer", tendo regressado às instalações do Supremo, na Praça do Comércio, 20 minutos depois.

 

A primeira sessão de apresentação ao juiz terminou cerca 23:30, com os detidos a abandonarem o Supremo Tribunal de Justiça cerca das 23:50, por uma porta lateral. Presente na sessão esteve também o procurador-geral adjunto Paulo Sousa, coordenador do Ministério Público no STJ.

 

Não foram feitos mais esclarecimentos após o final dos trabalhos na quarta-feira.

 

Os interrogatórios aos cinco detidos na 'Operação Lex', que vão pernoitar no Estabelecimento Prisional anexo à Polícia Judiciária (EPPJ), prosseguem esta manhã no Supremo Tribunal de Justiça, estando o início dos trabalhos previsto para as 10:00.

 

A 'Operação Lex' investiga suspeitas de corrupção/recebimento indevido de vantagem, branqueamento de capitais, tráfico de influências e fraude fiscal.

 

Na operação, desencadeada na terça-feira, foram realizadas 33 buscas, das quais 20 domiciliárias, nomeadamente ao Sport Lisboa e Benfica, à casa de Luís Filipe Vieira e dos dois juízes e a três escritórios de advogados.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Camponio da beira 01.02.2018

Há dias um advogado amigo (não tenho nada em tribunais graças a Deus) ao almoço esteve-me a dizer que um juiz condenou um cliente dele com base numa "dedução" dele e não com base em qualquer prova (era uma processo quase insignificante de umas asneiras)e teve que recorrer para ser absolvido.

General Ciresp 01.02.2018

.Tanta coisa para uma cidade ja de si tao BRUTACENTRALIZADORA.

Anónimo 01.02.2018

Ó 37 já te podes candidatar a reitor da Universidade do Seixal ,ao lugar que o Orelhas tinha reservado para o Rangel

37 01.02.2018

E qqué que tem O Benfica a ver com esta história mal contada ? Tanto assim é que o advogado Correia já pediu a anulação das buscas e olhem que ele sabe ,estava no DCIAP quando desapareceram as escutas do apito dourado que estavam em segredo de justiça .O Luis Bernardo vai reabrir o apito dourado

pub