Justiça Operação Marquês: Defesa de Sócrates opôs-se à anexação aos autos de parte do caso PT/GES

Operação Marquês: Defesa de Sócrates opôs-se à anexação aos autos de parte do caso PT/GES

A defesa de José Sócrates manifestou ao Ministério Público e ao juiz Carlos Alexandre oposição às conexões processuais destinadas a juntar segmentos do caso PT/GES ao inquérito Operação Marquês, em que o ex-primeiro-ministro é arguido.
Operação Marquês: Defesa de Sócrates opôs-se à anexação aos autos de parte do caso PT/GES
Lusa 21 de setembro de 2017 às 21:00

A revelação foi feita esta quinta-feira em conferência de imprensa, em Lisboa, pelos advogados João Araújo e Pedro Delille, a propósito dos últimos desenvolvimentos ocorridos na investigação da Operação Marquês.

 

João Araújo referiu que só na semana passada é que os advogados do antigo líder do PS foram notificados da decisão, no início de agosto, dos procuradores do processo de apensar à Operação Marquês parte ou segmentos da investigação relacionada com o investimento da PT (900 milhões de euros) em papel comercial (Rioforte) do Grupo Espírito Santo. 

 

"Estas apensações são absolutamente ilegais e descabidas", criticou João Araújo, considerando que as mesmas, além de "nulas", violam também as "decisões hierárquicas" da Procuradora-Geral da república (PGR) quando decidiu prorrogar o prazo para a conclusão do inquérito da Operação Marquês.

 

Em seu entender, a estratégia do MP de embrulhar na Operação Marquês factos relativos ao caso PT/GES, que envolve os antigos administradores da operadora de telecomunicações Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, demonstra que, ao fim de "destes anos todos", o MP "não tem provas, nem factos" contra o antigo primeiro-ministro.

 

João Araújo argumentou ainda que a apensação de segmentos do caso PT/GES à Operação Marquês visa unicamente "manter vivas" imputações contra José Sócrates, que mais não são que um "processo político contra o ex-primeiro-ministro" e o seu governo de então.

 

Reiterou ainda que José Sócrates nada teve a ver com os negócios da PT e que os mesmos ocorreram já depois de ele ser chefe do Governo.

 

Por seu lado, Pedro Delille considerou que a intenção do MP ao juntar segmentos do processo PT/GES à Operação Marquês é a de evitar que "se esclareça a verdade", alertando ainda para a "violação clara da lei" que configura a inquirição como testemunhas na Operação Marquês de arguidos e testemunhas que pertencem a outro processo.

 

Só o apenso principal do caso PT trouxe mais de 3.000 folhas à Operação Marquês, indicou Pedro Delille, insurgindo-se contra a construção de megaprocessos que irão arrastar-se durante muitos anos nos tribunais.

 

João Araújo defendeu que as decisões do MP de apensar segmentos de outros processos (PT/GES e Monte Branco) à Operação Marquês são "extremamente perigosas para o Estado e para a administração da Justiça", pois, em sua opinião, "não se podem transferir bocados de processos para outra investigação". Senão, disse, estão a "acrescentar nulidades às nulidades já existentes".

 

A defesa de Sócrates insiste que a Operação Marquês já violou todos os prazos legais para a conclusão do inquérito e que a investigação devia ser rapidamente concluída com os factos relativos ao Grupo Lena e à Quinta do Lago que justificaram as imputações inicialmente feitas a José Sócrates.

 

Questionado sobre se José Sócrates tinha sido chamado pelos procuradores da Operação Marquês para ser novamente inquirido, Pedro Delille garantiu que não, observando que, em contrapartida, o MP tem ouvido como testemunhas na Operação Marquês pessoas que são arguidas nos inquéritos Monte Branco e Universo BES/GES. "A lei proíbe que (essas pessoas) sejam ouvidos como testemunhas", frisou Pedro Delille.

 

Na "Operação Marquês", o ex-primeiro-ministro José Sócrates está indiciado por corrupção, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais, num processo que investiga crimes económico-financeiros e que tem 25 arguidos: 19 pessoas e seis empresas, quatro das quais do Grupo Lena.

 

Entre os arguidos estão Armando Vara, ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos e antigo ministro socialista, Carlos Santos Silva, empresário e amigo do ex-primeiro-ministro, Joaquim Barroca, empresário do grupo Lena, João Perna, antigo motorista de Sócrates, Paulo Lalanda de Castro, do grupo Octapharma, Henrique Granadeiro e Zeinal Bava, ex-administradores da PT, Ricardo Salgado, ex-presidente do BES, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e os empresários Diogo Gaspar Ferreira e Rui Mão de Ferro e o empresário luso-angolano Hélder Bataglia.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp 22.09.2017

Quem sabe:se o cerco for bem apertado ao ladrao 44,como vai ele poder pagar aos advogados de defesa um valor que ha-de atingir umas centenas de milhares de euros.Estara o pagador das TAINAS DE 20.000 euros das sextas-feiras ja informado para o caso?Caso contrario vira-se o feitico contra o feiticeir

Anónimo 22.09.2017

Nesta espécie de país temos uma justiça e umas leis de m@rda. Quem mata 1 ou 8 ou 80 ou 80 milhões é condenado à pena máxima de 25 anos, basta provar um dos crimes. Quem rouba milhões às prestações nunca é condenado. Este putedo engravatadinho está todo feito e por isso tenho mais respeito pelas meninas da borda da estrada (das quais nunca me servi) do que a qq burgesso que assenta o cú na dita "democrática" AR.

pub