Justiça Operação Marquês: "Não me espantaria nada" novo adiamento do fim do inquérito, diz Sócrates

Operação Marquês: "Não me espantaria nada" novo adiamento do fim do inquérito, diz Sócrates

O ex-primeiro-ministro José Sócrates disse que não ficaria "nada espantado" se o Ministério Público adiasse novamente a conclusão do inquérito "Operação Marquês", observando que, após 44 meses de investigação, ainda não lhe apresentaram "nenhuma prova".
Operação Marquês: "Não me espantaria nada" novo adiamento do fim do inquérito, diz Sócrates
.
Lusa 13 de março de 2017 às 23:52

"Não me espantaria nada que adiassem outra vez [a conclusão do inquérito]", disse José Sócrates à saída do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), onde hoje foi interrogado, pela terceira vez, pelos procuradores do Ministério Público que dirigem a investigação.

 

O antigo líder do PS considerou "absolutamente escandaloso" que o MP "possa não respeitar os prazos" processuais que "estão nos códigos e que é igual para todos".

 

Sócrates lamentou que, ao fim de 44 meses de investigação e depois de ter sido detido e preso, o MP "não tenha evidências, nem elementos, nem factos, nem provas", a não ser uma "teoria absurda", traduzidas em suspeitas "falsas e injustas" de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais.

 

"Fiquei espantadíssimo porque o MP não foi capaz de apresentar nada, a não ser uma escuta aqui, uma escuta ali, como se isso pudesse servir de base a qualquer suspeição", declarou o antigo primeiro-ministro, que criticou ainda o facto de os responsáveis da "Operação Marquês" estarem a conduzir uma investigação penal através da comunicação social.

 

Quanto às imputações que o relacionam com os negócios e as decissões da PT, Sócrates replicou que tais suspeitas "são absurdas" e "espatafúrdias" porque "não têm o mínimo de sustentação na realidade", aludindo, nomeadamente, à alegada intervenção que teria tido para influenciar que a OPA da SONAE não tivesse tido sucesso.

 

O antigo chefe do Governo socialista reiterou que a única intervenção que teve na PT, através da "Golden Share", colidiu precisamente com os interesses de Ricardo Salgado e do BES.

 

"O negócio da fusão (da PT) com a Oi (operaadora brasileira) foi feito muito mais tarde, em 2013. Podem pedir responsabilidades ao governo de Passos Coelho que tomou a decisão de abdicar da Golden Share", enfatizou Sócrates, observando que essa "história" em que o pretendem envolver "está muito mal contada".

 

Sócrates transmitiu ainda a ideia de que, ao ser novamente interrogado pelo MP, desafiou os procuradores a apresentar provas daquilo que lhe imputam, mas que estes não têm factos, nem provas e que o seu "padrão" de actuação passa pela "encenação mediática" e as "campanhas de difamação" contra si, através da comunicação social.

 

A inquirição do ex-primeiro-ministro ocorreu dias depois de o MP ter interrogado Carlos Santos Silva, empresário e amigo de longa data de Sócrates, a quem os procuradores atribuem o papel de "testa de ferro" e fiel depositário de vários milhões de euros de "luvas", cujo destinatário final seria o antigo líder socialista.

 

A ex-mulher de Sócrates, Sofia Fava, vai ser interrogada na quarta-feira e Joaquim Barroca, gestor do Grupo Lena, na quinta-feira, numa maratona de inquirições até à próxima sexta-feira, que tem aumentado as dúvidas sobre se o MP conseguirá ou não concluir a investigação no prazo (17 de Março) concedido pela Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal.

 

A "Operação Marquês", conta até ao momento, com 25 arguidos - 19 pessoas e seis empresas, quatro das quais do Grupo Lena.

 

Entre os arguidos estão Armando Vara, ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos e antigo ministro socialista, Carlos Santos Silva, empresário e amigo do ex-primeiro-ministro, Joaquim Barroca, empresário do grupo Lena, João Perna, antigo motorista de Sócrates, Paulo Lalanda de Castro, do grupo Octapharma, Henrique Granadeiro e Zeinal Bava, ex-administradores da PT, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e os empresários Diogo Gaspar Ferreira e Rui Mão de Ferro e o empresário luso-angolano Hélder Bataglia.

 

 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
eleitor 14.03.2017

Em matéria de telenovelas os Brasileiros podem coçar-se , somos campeões !

Água Ráz 14.03.2017

Ó Zezito metes-te em tanta coisa como queres que os prazos sejam iguais para todos? Se tivesses roubado uma galinha isso já estava resolvido há muito ,mas tu zézito fostes a tantos galinheiros e mostraste até raposas de algumas capoeiras ,como o Lula ,de modo q isso tem q ter por justiça alargamento

pub
pub
pub
pub