Emprego Oposição acusa Centeno de não cumprir lei por esconder estudo sobre as 35 horas

Oposição acusa Centeno de não cumprir lei por esconder estudo sobre as 35 horas

O PSD exige o estudo de impacto das 35 horas. O ministro das Finanças garante que este último documento, que está a ser pedido há meses, será apresentado "muito brevemente".
Oposição acusa Centeno de não cumprir lei por esconder estudo sobre as 35 horas
Miguel Baltazar
Catarina Almeida Pereira 14 de Dezembro de 2016 às 11:29

O PSD acusou o ministro das Finanças de não estar a cumprir a lei por não apresentar aos deputados o estudo de impacto sobre as 35 horas. No Parlamento, onde está a ser ouvido, Mário Centeno prometeu que o estudo será apresentado "muito brevemente".

 

Na sua primeira intervenção, o deputado do PSD Álvaro Batista referiu que o estudo foi pedido pelos deputados há vários meses e que o Governo tem um prazo de 30 dias para o apresentar. "Este prazo está há muito ultrapassado. Em quem devemos acreditar: no ministro das Finanças que diz aos contribuintes que têm de cumprir a lei (…) ou no ministro das Finanças que não a cumpre?", questionou.

 

Na resposta, o ministro das Finanças referiu que o estudo será divulgado "muito brevemente", dando conta da existência de um memorando que resume as conclusões.

 

O memorando, que foi noticiado pelo Negócios em Agosto, refere que quase um quarto dos serviços da administração central disseram ao Ministério das Finanças que precisariam de mais meios por causa da redução do horário de 40 horas para 35 horas.

 

Educação, Saúde e Justiça são as áreas críticas

Em resposta às necessidades identificadas pelos serviços, que implicavam custos na ordem dos 20 milhões de euros só no segundo semestre deste ano, o Governo definiu na altura que seriam renovados 2.621 contratos nas escolas que terminavam no final desse mês e contratados mil enfermeiros.

 

Durante a audição, a deputada Joana Mortágua, do Bloco de Esquerda, também lamentou que o Governo ainda não tenha divulgado o relatório sobre precariedade na administração pública, outro documento que já poderia ter sido divulgado desde o final de Outubro.

 

Ministro garante que cumpre regras de Bruxelas

 

Ao longo da audição, o ministro foi confrontado com a disparidade entre as suas estimativas iniciais, que apontavam para a redução de dez mil funcionários ao longo deste ano, e os resultados finais, que variam segundo o período considerado mas que apontam para uma relativa estabilidade do emprego público.

 

Na resposta, Mário Centeno voltou a referir que o que impediu a quebra do número de funcionários foi a forte quebra nas aposentações.

 

O ministro das Finanças referiu, no entanto, alguns números para sustentar que está a cumprir a regra "dois por um", que prevê que só seja admitida uma pessoa por cada duas que saem. Nesta lógica, se saem menos também há menos a entrar.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


Um governo de ladrões

PS - BE - PCP - e seus apoiantes - DEIXAM MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO AOS FP:

- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Nada de novo. Com esta pandilha, as coisas ou se estão a fazer ou serão feitas mas nunca estão feitas. É só ter paciência para esperar mais um bocadinho. O pior é que a anestesia está a chegar ao fim e o despertar vai ser longo e doloroso. Lá terá de vir o lobo mau "roubar" os pobres funços. Enfim.

fcj Há 1 semana

Até parece que querem imitar, nas mentiras, o anterior governo... Mas é impossível. Não lhe chegam nem aos calcanhares!!!,

Mr.Tuga Há 1 semana

Este tipo e o Bosta fazem uma dupla de aldrabões e malabaristas!!!
Escondem documentos e relatórios!
Fazem leis as escondidas!
Que dupla!

Anónimo Há 1 semana



OS CÃES RAIVOSOS DA FP_CGA

Os cães raivosos da FP_CGA abocanharam tudo e mais alguma coisa nos últimos 40 anos.

Sempre à custa dos trabalhadores e pensionistas do privado, que sustentam a FP e seus pensionistas a pão de ló.


Resposta de matita42a Anónimo Há 1 semana

Essa facilidade de os FP terem muito melhores condições de emprego foi-lhes dado por Guterres ao atribuir a todos o Estatuto do Funcionário Público , criado por Cavaco.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub