Américas Orçamento de Trump com cortes drásticos na ajuda dos EUA ao estrangeiro

Orçamento de Trump com cortes drásticos na ajuda dos EUA ao estrangeiro

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, vai propor cortes drásticos na ajuda do país ao estrangeiro e a programas ambientais no seu primeiro orçamento, que dá particular peso à Defesa e que será divulgado hoje.
Orçamento de Trump com cortes drásticos na ajuda dos EUA ao estrangeiro
reuters
Lusa 16 de março de 2017 às 07:40

Num plano que pretende reflectir as promessas de campanha, o líder republicano vai propor um corte de 28% no financiamento ao Departamento de Estado.

 

O corte é tido como um prenúncio de fortes reduções na ajuda ao estrangeiro e no financiamento das agências da ONU, que terão efeitos colaterais em todo o mundo.

 

O Pentágono será o grande vencedor, com um aumento de quase 10%, que resulta em mais fundos ao orçamento da Defesa que já é maior que o dos sete maiores países seguintes juntos.

 

Separadamente, cerca de quatro mil milhões de dólares serão destinados este ano e no próximo para começar a construir o muro na fronteira com o México.

 

A promessa de construção de um muro fronteiriço com o México é uma das mais polémicas de Trump, que insiste que o país vizinho vai reembolsar os Estados Unidos pela obra.

 

O custo estimado do muro tem vindo a crescer progressivamente desde os cerca de 8.000 milhões de dólares calculados inicialmente por Trump até aos 21.600 milhões, segundo os últimos cálculos do Departamento de Segurança Nacional (DHS, na sigla inglesa) que já reconheceu que vão ser pagos com dinheiro aprovado pelo Congresso.

 

De acordo com documentos do DHS, prevê-se que a construção do muro com o México seja iniciada nas zonas fronteiriças de El Paso (Texas), Tucson (Arizona) e El Centro (Califórnia). Estes pontos fazem fronteira com as cidades mexicanas de Ciudad Juárez (Chihuahua), Nogales (Sonora) e Mexicali (Baixa Califórnia), respectivamente.

 

Trump quer também privatizar as operações de controlo de tráfego aéreo do país. A proposta de orçamento indica que retirar as operações da Administração Federal de Aviação e colocá-las numa "organização independente, não-governamental" tornará o sistema "mais eficiente e inovador, mantendo a segurança".

 

A proposta de Trump abrange apenas uma fracção do orçamento federal de 3,8 biliões de dólares, dominado pela saúde, pensões e outros custos.

 

O texto será revisto e refeito pelo Congresso antes de um orçamento completo ser divulgado em Maio.

 

Nesse sentido, este plano assume-se mais como uma afirmação política do que um programa fiscal.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Mas eu sempre ouvi dizer em Portugal , que a America nunca ajudava ninguem; so explorava para se enriquecer; como pode agora o Trump cortar na ajuda ao estranjeiro?? Era conversa da tal esquerdalha pobre e mal agradecida.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Mas eu sempre ouvi dizer em Portugal , que a America nunca ajudava ninguem; so explorava para se enriquecer; como pode agora o Trump cortar na ajuda ao estranjeiro?? Era conversa da tal esquerdalha pobre e mal agradecida.

Karlos Há 1 semana

Vou comprar ações de construtoras do meu país. Disseram-me que uma pode ganhar o concurso. E a empresa que fizer o muro, tem o futuro garantido.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub