Orçamento do Estado Orçamento do Estado chegou hoje a Belém na versão em papel

Orçamento do Estado chegou hoje a Belém na versão em papel

O Presidente da República vai fazer hoje uma declaração ao país sobre o Orçamento do Estado para 2017, às 18:00, no Palácio de Belém - conforme fez com o Orçamento para 2016, em Março.
Orçamento do Estado chegou hoje a Belém na versão em papel
Miguel Baltazar
Lusa 21 de dezembro de 2016 às 16:27

O Orçamento do Estado para 2017 chegou ao Palácio de Belém em versão electrónica na terça-feira e hoje em papel, disse à Lusa fonte da Presidência da República.

 

O parlamento aprovou o Orçamento do Estado 2017 em votação final global no dia 29 de Novembro, com votos favoráveis de PS, BE, PCP, PEV e PAN, e votos contra de PSD e CDS-PP.

 

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai fazer hoje uma declaração ao país sobre o Orçamento do Estado para 2017, às 18:00, no Palácio de Belém - conforme fez com o Orçamento para 2016, em Março.

 

De acordo com a Constituição, o chefe de Estado dispõe de um prazo de 20 dias, contados a partir da recepção de qualquer decreto da Assembleia da República, para promulgar o diploma ou exercer o seu direito de veto.

 

O Presidente da República pode ainda requerer a apreciação preventiva da constitucionalidade do diploma, no prazo de oito dias a contar da data da sua recepção.

 

No anterior exercício orçamental, passaram quatro dias entre a recepção do diploma, que aconteceu em 24 de Março, e a sua promulgação, no dia 28 de Março, data em que Marcelo Rebelo de Sousa falou ao país, às 17:00, sobre a sua decisão.

 

Nessa comunicação, o Presidente da República afirmou ter promulgado o Orçamento para 2016 sem dúvidas de constitucionalidade, e classificou-o como "uma solução de compromisso" entre o Governo e as instituições europeias.

 

O Orçamento do Estado para 2017 estabelece, entre outras medidas, o fim da sobretaxa de IRS para o segundo escalão de rendimentos, um aumento de pensões e novos impostos sobre os refrigerantes e sobre o património imobiliário de elevado valor.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas


O BURACO ANUAL DA C.G.A. CUSTA MAIS DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos ladrões FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas


O BURACO ANUAL DA C.G.A. CUSTA MAIS DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos ladrões FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


pub
pub
pub
pub