Orçamento do Estado Orçamento prevê injecção de 2.700 milhões na CGD já este ano

Orçamento prevê injecção de 2.700 milhões na CGD já este ano

A proposta de Orçamento do Estado para 2017 prevê que o Governo injecte até 2.700 milhões de euros na Caixa Geral de Depósitos já em 2016. O valor exacto do aumento de capital será definido mais tarde.
Orçamento prevê injecção de 2.700 milhões na CGD já este ano
Miguel Baltazar

A injecção de capital de até 2.700 milhões de euros na Caixa Geral de Depósitos vai ser concretizada ainda em 2016, adiantou o secretário de Estado do Tesouro e Finanças. A proposta de Orçamento do Estado (OE) para o próximo ano prevê que o Governo aumente o capital da CGD com dinheiro fresco até àquele montante máximo.

 

A única referência a esta operação consta do relatório do OE, no capítulo relativo às necessidades e fontes de financiamento do Estado de 2016. "O volume de aquisição líquida de activos financeiros (6,8 mil milhões de euros) inclui a operação de capitalização da CGD no valor de 2,7 mil milhões de euros", refere o documento entregue esta sexta-feira, 14 de Outubro, no Parlamento.

Depois do "acordo com Comissão Europeia para recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, está-se a fazer o apuramento das necessidades efectivas de capital e, depois, avançar-se-á para a injecção de capital, com aquilo que é apresentado no documento [2.700 milhões de euros]. A operação será feita em 2016", revelou o secretário de Estado do Tesouro e Finanças, Ricardo Mourinho Félix, na conferência de imprensa de apresentação do OE.

 

O relatório do Orçamento não dá quaisquer detalhes sobre os detalhes ou o calendário da operação de capitalização da Caixa, como o Negócios antecipou. Esses pormenores só serão conhecidos depois dos trabalhos de confirmação das necessidades de capital da CGD, que a equipa liderada por António Domingues está a fazer com a Deloitte, auditora do banco do Estado.

 

No total, a capitalização da CGD pode chegar a 5.160 milhões de euros, tal como foi aprovado por Bruxelas. Aliás, o Governo aproveita o documento do OE para sublinhar a importância desta operação.

 

"O sistema financeiro português entrou finalmente num processo de estabilização, com a definição de um novo plano de negócios e a recapitalização da CGD e a estabilização dos principais bancos privados. Uma condição necessária ao crescimento, que claramente não estava assegurada no final de 2015. O caminho reformista do Governo tem uma marca indelével no sistema financeiro, onde aqui sim houve uma clara reversão do caminho que vinha sendo seguido", lê-se no relatório sobre a proposta de Orçamento para 2017.


(Notícia actualizada às 21:46 com declarações do secretário de Estado do Tesouro e Finanças)
(Notícia corrigida às 21:34 com a informação de que a injecção deverá ocorrer em 2016 e não em 2017)



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
beachboy Há 2 semanas

...com aumentos de capital do accionista a toda a hora qualquer um é gestor de empresas...
...estes gajos da banca até dão vómitos...
...tal a falta de responsabilidade e escrupulos...

ZÉ POVINHO Há 2 semanas

2.700 MILHOES E NINGUEM DIZ NADA... QUEM PAGA ISTO

pub
pub
pub
pub