Cultura “Os últimos Jedi” supera “O despertar da Força” em venda de brinquedos

“Os últimos Jedi” supera “O despertar da Força” em venda de brinquedos

A Funko, fabricante de brinquedos que abriu o seu capital no mês passado, não vê sinais de cansaço em relação ao Star Wars.
“Os últimos Jedi” supera “O despertar da Força” em venda de brinquedos
Bloomberg
Bloomberg 26 de dezembro de 2017 às 16:32

As vendas de produtos Star Wars da empresa superam as de 2015, quando foi lançado o último episódio importante da série de ficção científica, segundo o CEO Brian Mariotti.

 

A indústria de brinquedos teme que a procura por produtos Star Wars atinja o pico rapidamente e caia após o renascimento da franquia sob o controlo da Walt Disney. "O Despertar da Força", sétimo episódio da série, foi lançado em 2015, seguido de "Os Últimos Jedi", este ano. E houve um spinoff, "Rogue One", em 2016.

 

Mesmo com a saturação, os produtos Star Wars da Funko estão em alta, disse Mariotti, numa entrevista.

 

"Definitivamente, estamos em alta", realçou. "Há uma certa surpresa devido à procura reprimida antes do episódio sete após tanto tempo sem filmes da série Star Wars."

A Funko, famosa pelos cabeçudos bonecos Pop, tem mais de 1.000 licenças de marcas de entretenimento. O seu catálogo abrange desde grandes franquias, como a Star Wars e a Marvel, até títulos de nicho, como a "Supergatas".

 

A empresa teve uma estreia turbulenta no mercado, com queda de 50% nas acções desde a oferta pública inicial. Mas, para a Funko, as vendas internacionais estão a ajudar a estimular o crescimento.

 

O modelo de negócio da empresa depende da velocidade, e a companhia muitas vezes lança itens baseados em personagens ou roteiros desconhecidos antes de assistir ao filme. Um desses casos foi "Os Últimos Jedi".

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub