Finanças Públicas Devolução ao FMI ajuda a reduzir dívida pública em 1.300 milhões

Devolução ao FMI ajuda a reduzir dívida pública em 1.300 milhões

De acordo com dados divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal, a dívida pública do país caiu para 241,8 mil milhões de euros em Novembro, menos 1.300 milhões em relação a Outubro.
Devolução ao FMI ajuda a reduzir dívida pública em 1.300 milhões
Paulo Zacarias Gomes 02 de janeiro de 2017 às 11:48
A dívida pública portuguesa caiu 1.300 milhões de euros entre Outubro e Novembro, ficando em 241,8 mil milhões de euros. A evolução foi avançada esta segunda-feira, 2 de Janeiro, pelo Banco de Portugal

De acordo com os dados divulgados, a queda deveu-se a uma diminuição dos empréstimos em 1.900 milhões de euros, reflectindo a devolução ao Fundo Monetário Internacional (FMI) de uma tranche de 2.100 milhões de euros associada ao programa de assistência económica e financeira. 

A agravar o balanço estiveram as emissões líquidas de títulos de dívida (positivas em 500 milhões de euros em relação ao mês passado), com destaque para a emissão de 1.500 milhões em Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV).


O comunicado do regulador do sector financeiro acrescenta ainda que os activos de depósitos se reduziram no mesmo mês, mas de forma menos acentuada - 600 milhões de euros - e que, líquida de depósitos,  a dívida da administração central caiu 700 milhões de euros para os 223,7 mil milhões.

Apesar do recuo neste mês, os números do terceiro trimestre, conhecidos em 21 de Novembro, davam conta de que a dívida pública portuguesa tinha mantido a tendência de agravamento, atingindo 133,08% do PIB, o valor mais elevado pelo menos desde 2007. Excluindo os depósitos do Estado, a dívida líquida era mais baixa, tendo atingido os 121,5% até Setembro.

O Orçamento do Estado (OE) para 2017 prevê que a dívida alcance no final deste exercício os 129,7% do PIB, uma revisão em alta das estimativas de 127,7% do PIB inscritas no OE do ano passado. 

(Título e notícia alterados às 21:20, retirando a referência aos OTRV e alterando o terceiro parágrafo)



A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 02.01.2017

E os jornalistas deste país ainda querem ser levados a sério: a dívida com e sem depósitos aumentou cerca de 10.000 milhões num ano...

Os números são os seguintes:

Dívida na ótica de mastrich: nov. 2015 - 231 598 / nov. 2016 - 241.800

Dívida líquida de depósitos: nov. 2015 - 213.992 / nov. 2016 - 223.700

comentários mais recentes
Elmano 03.01.2017

Mentira.
A dívida aumentou. Não é por amortizar aos credores externos que diminuiu. Pediu-se emprestado aos portugueses um montante muito superior. Logo, aumentou.

Anónimo 02.01.2017

Com a recapitalização da CGD o valor total da Dívida Pública vai ficar perto dos 250 mil milhões de Euros, é garantido!

Anónimo 02.01.2017

Não há é nada que faça diminuir a diarreia mental dos pafs. É a vida .. como dizia o futuro secretário geral da ONU.

Anónimo 02.01.2017

Este Zacarias jornalista devia prepara-se melhor. Não vale a pena tanta retórica. Estou à espera que alguém faça um artigo publicando a dívida bruta, líquida e os depósitos. Comparando os últimos 5 anos. Cada um que aqui dá opinião não esconde a sua cor.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub