União Europeia Pais não europeus de um cidadão comunitário têm direito a residir na UE

Pais não europeus de um cidadão comunitário têm direito a residir na UE

Os pais não-europeus de uma criança com nacionalidade de um Estado-membro da UE têm o direito a residir na comunidade, declarou esta quarta-feira o Tribunal de Justiça da UE, numa decisão que poderá complicar as negociações do Brexit.
Pais não europeus de um cidadão comunitário têm direito a residir na UE
Bruno Simão/Negócios
Lusa 10 de maio de 2017 às 20:09

A mais alta instância judicial da UE explicou que os tribunais nacionais devem dar prioridade ao bem-estar da criança e alertou para "os riscos que uma separação [dos seus pais não-europeus] poderá ter para o equilíbrio" dos menores.

 

A UE exige que os direitos dos cerca de três milhões de cidadãos europeus que vivem actualmente no Reino Unido continuam uma parte prioritária das negociações do Brexit.

 

O papel do Tribunal de Justiça da UE (TJUE), em particular no que toca aos assuntos de imigração, foi um dos principais argumentos da campanha no Reino Unido pelo "não" à permanência na UE.

 

A decisão do TJUE surge a propósito do caso de uma venezuelana que entrou na Holanda como turista e que, pouco depois, deu à luz uma criança de pai holandês.

 

O casal separou-se em 2011 e a mãe declarou que deveria ser a única responsável pela educação e bem-estar da criança. No entanto, como não tinha direito de residência na Holanda, as autoridades judiciais daquele país rejeitaram o seu pedido de pensão de alimentos.

 

O TJUE, baseado no Luxemburgo, indicou que compete à justiça holandesa decidir se a mulher venezuelana tinha ou não um "direito derivado de residência". No entanto, mesmo que a justiça determine que não tem esse direito, o TJUE considera que a situação da mãe e da criança devem ser examinados (...) à luz do artigo 20.º do Tratado Europeu", que aborda as situações em que se pode recusar o direito de residência aos membros de uma família de um cidadão europeu".

 

Caso esta mãe, tal como outras em situação semelhante, viesse a ser obrigada a abandonar a UE, "esta decisão poderia privar os seus filhos de um autêntico usufruto dos seus direitos [enquanto cidadão da UE], ao obrigá-los a sair do território da UE", sustenta o TJUE. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub