Economia Papademos: "Grécia pode entrar em falência desordeira em Março"

Papademos: "Grécia pode entrar em falência desordeira em Março"

O primeiro-ministro grego voltou a apelar para um acordo com a troika e consequente financiamento da Grécia. Caso contrário, "a Grécia enfrenta, em Março, o risco de falência desordeira imediata".
Sara Antunes 04 de Janeiro de 2012 às 18:18
“Em Janeiro, as negociações começaram com a troika com o foco na definição de um plano de ajustamento económico credível para 2012 a 2015”, afirmou Lucas Papademos numa transcrição de um e-mail a que a Bloomberg teve acesso.

“A implementação do acordo para reduzir a dívida e a continuação do financiamento do país depende” desse acordo com a troika. “Sem este, e subsequente financiamento, a Grécia enfrenta, em Março, o risco de falência desordeira imediata”, acrescentou o primeiro-ministro grego.

Este é já o segundo aviso, de forma abrupta, dado por responsáveis gregos em dois dias. Já ontem, Pantelis Kapsis, porta-voz do governo, afirmou que a Grécia terá de sair da união económica e monetária da Europa se a troika – composta pelo FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu – não concluir o acordo com vista à concessão de um segundo pacote de ajuda financeira externa a Atenas, de acordo com declarações feitas à emissora Skai TV, citado pela Reuters.

"O acordo de resgate terá de ser assinado, caso contrário estaremos fora dos mercados, fora do euro", acrescentou ainda Kapsis, sublinhando que "a situação será muito pior".

A Grécia está a negociar as condições do segundo resgate financeiro, no montante total de 110 mil milhões de euros, considerando já o perdão da dívida que está a ser discutido com a banca. A ideia inicial era que os investidores privados fizessem um desconto de 50% da dívida grega detida. Os últimos números apontam para que as negociações estejam a elevar este valor para 75%.

Lucas Papademos passou a liderar o Governo helénico, em Novembro, depois da crise financeira ter acabado por derrubar George Papandreou. O responsável assumiu assim o executivo, automaticamente. Eleições só deverão ocorrer em Abril ou Maio.



A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
asCetayy0fsq Há 1 dia

http://buy-levaquin.space/ - levaquin buy http://costofcymbalta.gdn/ - cymbalta duloxetine http://celebrex2012.top/ - celebrex http://buy-levitra.pro/ - buy levitra http://buy-celebrex.pro/ - buy celebrex online http://buyneurontin.space/ - order neurontin

asCeta5og7m7 Há 1 dia

http://buymotrin.space/ - buy motrin http://colchicine.gdn/ - colchicine 0.6mg http://buynexium.club/ - nexium prices http://ciproantibiotic.date/ - cipro antibiotics http://generic-levaquin.science/ - levaquin http://adalat.club/ - adalat

asCetagkki9v Há 3 semanas

http://viagranoprescription.date/ - viagra no prescription http://tretinoingel.science/ - tretinoin cream http://how-to-get-viagra.trade/ - cost of generic viagra http://baclofen-10mg.us/ - baclofen

Dr_House 09.01.2012

Alguém acredita que Portugal consegue pagar os 160 mil milhões de euros? Vejamos: a 5% são só 8 mil milhões de euros por ano. Ora temos tido sempre défice, como é que vamos pagar? Portanto temos que aumentar a dívida, mesmo cumprindo as regras drásticas da Troika, para chegarmos só aos 3% de défice.
Portanto porque chamam nomes aos Gregos? Daqui a 2 anos vão ver em que estado fica o nosso País.
Esta politica arruina completamente o nosso Portugal, pois as receitas vão diminuir drasticamente e as despesas vão-se manter.


ver mais comentários
pub