Ambiente Papeleiras recusam que problema dos incêndios se deva ao eucalipto

Papeleiras recusam que problema dos incêndios se deva ao eucalipto

A Associação da Indústria Papeleira defende que o problema dos incêndios em Portugal não deve ser atribuído ao eucalipto, mas à falta de gestão da floresta e do "incendiarismo", disse hoje à Lusa um representante.
Papeleiras recusam que problema dos incêndios se deva ao eucalipto
Correio da Manhã
Lusa 21 de setembro de 2017 às 12:18
"É uma questão da gestão, não é da espécie em concreto. O que não falta no país são exemplos de incêndios que ocorrem em áreas agrícolas e em áreas florestais com outras espécies que não o eucalipto. O factor comum a todos os incêndios é sempre a falta de gestão", afirmou Henrique Vieira, colaborador da Associação da Indústria Papeleira (CELPA).

Em declarações à Lusa, em Fafe, onde hoje aquela associação promoveu uma sessão de esclarecimento no âmbito do projecto "Melhor Eucalipto", Henrique Vieira sublinhou que o flagelo dos incêndios tem também a ver com "o elevadíssimo número de ignições no país".

"Isto não é só um problema da floresta, é também um problema social, é um problema de incendiarismo", disse.

A ligação que às vezes se faz do eucalipto à ocorrência dos incêndios florestais é um tema que a CELPA, anotou, tem procurado "desmistificar":

"Onde há gestão, o fogo tem uma probabilidade muito menor de ocorrer e onde ocorre é com menos intensidade e causa menores estragos. Onde não há gestão, o que infelizmente se observa por inúmeras razões em boa parte do país, leva a estas condições catastróficas que se verificam ano após ano".

Para o representante da associação, "o património das empresas associadas da CELPA é um excelente exemplo desse factor gestão, que é uma gestão profissional".

"Se formos ver as estatísticas, em média arde menos de 1% anualmente do património gerido por estas empresas. Isto é um valor que só por si já diz tudo", destacou, recordando que cerca de 200 mil hectares de floresta, a maioria de eucalipto, são geridos pelas empresas associadas da CELPA.

O projecto "Melhor Eucalipto", que foi iniciado em 2015, "tem como principal objectivo partilhar a experiência que a CELPA e as suas empresas associadas adquiriram ao longo de várias décadas de prática e de investigação na silvicultura do eucalipto".

"Desse modo, podermos ajudar os proprietários florestais, especialmente em regiões de minifúndio a melhorar a gestão das suas áreas de eucalipto e de produtividade da sua floresta", explicou.

Em 2016, foram realizadas várias acções de esclarecimento e formação de produtores de eucalipto, em vários pontos do país, que permitiram chegar a cerca de 600 proprietários.

Para a Associação da Indústria Papeleira, este tipo de acções poderá também ser benéfica na óptica da prevenção dos incêndios.

"Uma das operações que abordamos nestas acções de informação é o controlo da vegetação, as melhores técnicas para o fazer e o sentido de oportunidade", explicou, acrescentando isso tornará as técnicas "mais baratas e mais eficazes", nomeadamente "o controlo dos matos quando eles ainda se encontram pouco desenvolvidos".

"Se as coisas forem feitas de um modo oportuno são mais baratas, acessíveis a toda a gente e obviamente reduzem significativamente o risco de incêndio e os danos quando ele ocorre", concluiu.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp 21.09.2017

Custa-nos aceitar mas esta e defacto a realidade,padece o inocente(justo)pelo destruidor(pecador),senao vejamos:os lesados dos bancos vao ter de dar grande parte das suas poupancas para reparar o q os ladroes desgracaram,aconteceu-lhes alguma coisa?O salg capela leva mensal/90.000 para casa,incompet

O LUCRO PELO LUCRO ACIMA DE TUDO. POIS CLARO ! 21.09.2017

Claro !
Mas o que é que esperavam ouvir de quem busca o lucro pelo lucro e nada se importa com o extermínio das espécies arborícolas e arbustivas autóctones em Portugal, como o SOBREIRO, o CARVALHO, o CASTANHEIRO, PINHEIRO MANSO E BRAVO, MEDRONHEIRO, FREIXO, MURTA, URZE, AROEIRA e outras ?

Mr.Tuga 21.09.2017

Certíssimo!

Comecem a aplicar PENAS PESADAS aos bandalhos DESLEIXADOS, NEGLIGENTES e CRIMINOSOS dos incendiários e vão ver como os incêndios desaparecem !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Anónimo 21.09.2017

O eucalipto não é nenhum criminoso. Ele cresce, mesmo em terrenos sem água. É o nosso petróleo verde. A esquerda vé o eucalipto como um demónio, mas com regras na plantação e limpeza é uma mais valia para Portugal.

Saber mais e Alertas
pub