Zona Euro Paris e Berlim vão apresentar propostas comuns para reformar a zona euro

Paris e Berlim vão apresentar propostas comuns para reformar a zona euro

França e Alemanha anunciaram hoje que vão apresentar propostas comuns, entre Março e Junho, sobre a união bancária e a convergência fiscal, tendo em vista alcançar um acordo este ano para uma maior integração na zona euro.
Paris e Berlim vão apresentar propostas comuns para reformar a zona euro
Reuters
Lusa 18 de janeiro de 2018 às 17:16

A mensagem foi transmitida pelos ministros das Finanças dos dois países, Bruno Le Maire (na foto) e Peter Altmaier, que explicaram numa conferência de imprensa conjunta, após um encontro em Paris, que há abertura para outros se juntarem a esta iniciativa para a construção de um compromisso.

"Há que actuar agora" para cumprir a vontade comum de "uma integração rápida da zona euro nos próximos meses", indicou Le Maire, assinalando que o objectivo é que a zona euro esteja em condições de competir com a China e os Estados Unidos.

Altmaier acrescentou que o prazo indicado para encerrar um acordo sobre a reforma da zona euro "vai até finais de 2018".

Em matéria de fiscalidade, segundo o ministro francês, a ideia é que haja uma proposta franco-alemã, o mais tardar em Junho, com uma base comum em relação ao imposto sobre empresas.

O ministro alemão afirmou que se deve evitar uma competição nesta matéria no interior da União Europeia (UE). Os dois ministros também indicaram que querem "regular o 'bitcoin'" e outras moedas virtuais e que vão levar as suas sugestões à reunião do G20 que vai decorrer em Março na Argentina.

Quanto à reforma fiscal adoptada pela administração norte-americana, os ministros francês e alemão reiteraram "preocupações" e Le Maire afirmou que tem a intenção de as transmitir ao seu homólogo dos Estados Unidos durante o Fórum de Davos, que tem lugar na próxima semana.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Eles estao a ficar nervosos; o trunfo de trump de baixar impostos, na europa socialista, nao serve!!!!

pub