Economia Parlamento aprova maioria dos artigos da proposta do Governo para criar Banco de Terras

Parlamento aprova maioria dos artigos da proposta do Governo para criar Banco de Terras

A maioria dos artigos da proposta do Governo para criar o Banco de Terras foi aprovada na comissão parlamentar de Agricultura, com alterações do PS, prejudicando o projecto do BE para criar o Banco Público de Terras Agrícolas.
Parlamento aprova maioria dos artigos da proposta do Governo para criar Banco de Terras
Bloomberg
Lusa 19 de julho de 2017 às 01:25

De acordo com a proposta do Governo, o Banco de Terras será "constituído pela totalidade dos prédios exclusivamente ou predominantemente rústicos com aptidão agrícola, silvopastoril ou florestal do domínio privado do Estado, dos institutos públicos, bem como aqueles que venham a ser identificados como sem dono conhecido".

 

Em paralelo, o Governo sugere a criação da Bolsa de Terras, que disponibilizará apenas terras de pessoas singulares ou colectivas de direito privado, bem como das autarquias e do sector empresarial do Estado.

 

A proposta do Executivo visa ainda a criação do Fundo de Mobilização de Terras, que será o instrumento financeiro de gestão do Banco de Terras, garantindo a agilidade necessária à dinamização do Banco.

 

A articulação entre Banco de Terras, Bolsa de Terras e Fundo de Mobilização de Terras pretende "assegurar um aproveitamento maximizado de terrenos agrícolas e florestais, facilitando o acesso à terra através da disponibilização de prédios exclusivamente ou predominantemente rústicos, quando os mesmos tenham aptidão agrícola, silvopastoril ou florestal, designadamente permitindo o redimensionamento de explorações com vista a promover a sua viabilidade económica".

 

No âmbito da votação na especialidade das propostas legislativas para a reforma da floresta, que decorre na comissão parlamentar de Agricultura, a maioria dos artigos da proposta do Governo para criar o Banco de Terras e o Fundo de Mobilização de Terras foi aprovada na maioria, com a introdução de alterações sugeridas pelo PS, merecendo em geral a abstenção do PSD e do CDS-PP.

 

Neste sentido, o projecto de lei do BE para criar o Banco Público de Terras Agrícolas acabou por ser votado em bloco e rejeitado pela maioria, à excepção do BE que votou a favor.

 

Entre dois adiamentos potestativos por parte do PS e do BE e uma suspensão por 30 minutos devido à apresentação de propostas à última hora, a votação na especialidade das propostas legislativas para a reforma da floresta só arrancou às 16:15 de terça-feira e prolonga-se pela madrugada de hoje.

 

Cerca das 01:00, ainda faltava votar duas propostas do Governo para alterar o sistema nacional de defesa da floresta contra incêndios e para criar um sistema de informação cadastral simplificada e um projecto de lei conjunto do PSD e CDS-PP para criar o Sistema Nacional de Informação Cadastral.

 

O trabalho para a reforma da floresta tem de estar concluído até quarta-feira, data do final da sessão legislativa e data da votação final global dos diplomas em plenário.

 

O Governo fechou hoje um acordo global com o BE e o PCP para a aprovação em votação final global, na quarta-feira, no parlamento, de quatro dos cinco diplomas da reforma da floresta proposta pelo executivo.

 

O trabalho da reforma das florestas está a ser desenvolvido a partir de cinco diplomas apresentados pelo Governo. Às propostas do executivo juntam-se três projectos de lei do BE e um projecto conjunto do PSD e do CDS-PP.

 

Na terça-feira, o BE requereu o adiamento potestativo para a próxima sessão legislativa, a partir de 15 de Setembro, da discussão e votação dos projectos de lei para a criação de benefícios fiscais para entidades de gestão florestal e para a constituição de unidades de gestão florestal.

 

Neste sentido, nesta sessão legislativa vão a votação apenas quatro dos cinco diplomas do Governo, dois dos três projectos de lei do BE e o projecto de lei do PSD e do CDS-PP.

 

Outros sete diplomas do Governo para a reforma florestal foram já aprovados no parlamento.

 

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 19.07.2017


Ó gente do outro lado, tomai atenção, porque:

O problema da identidade sempre foi e contnuará a ser o de que para ser não chega parecer...

pub