União Europeia Parlamento britânico chumba emenda que protegia trabalhadores da UE no pós-Brexit

Parlamento britânico chumba emenda que protegia trabalhadores da UE no pós-Brexit

A câmara baixa do Parlamento britânico chumbou as duas emendas à lei do Brexit que foram propostas pela Câmara dos Lordes e que visavam proteger os direitos de cidadãos da UE a viver no Reino Unido e ainda assegurar aos deputados uma palavra final sobre o acordo final para a saída britânica do bloco europeu.
Parlamento britânico chumba emenda que protegia trabalhadores da UE no pós-Brexit
Reuters
David Santiago 13 de março de 2017 às 20:28

A câmara baixa (Câmara dos Comuns) do Reino Unido reprovou as duas emendas à lei do Brexit formuladas pela Câmara dos Lordes (câmara alta) e que visavam assegurar ao Parlamento britânico a decisão final sobre o acordo que vier a ser alcançado entre Londres e Bruxelas.

 

A primeira emenda a ser votada foi a relativa à preservação intacta dos direitos adquiridos e pelos cidadãos, e respectivos familiares, oriundos de países-membros da União Europeia e que residem no Reino Unido. Esta emenda foi chumbada por uma maioria de 48, com 335 votos contra e 287 favoráveis.


Resultado idêntico teve a emenda feita pelos Lordes e que estipulava que o Parlamento britânico tivesse uma espécie de direito de veto ao resultado final do que for acordado entre Londres e Bruxelas no que concerne à forma como se processará a saída do Reino Unido da União. Neste caso o chumbo decorreu de uma maioria de 45, com 331 votos contra e 286 a favor.

 

Entre os votos favoráveis à alteração proposta pelos Lordes não se encontra nenhum de deputados conservadores, o partido do Governo liderado por Theresa May.

 

Estas votações significam que a legislação que irá enquadrar a invocação do artigo 50.º do Tratado de Lisboa – que estipula a forma como se processa a saída de um Estado-membro da UE - apresentada pelo Governo britânico ficará intacta tal qual desenhada pela equipa de Theresa May.

 

Ainda na noite desta segunda-feira será aprovada a lei do Brexit, já que se espera que os deputados terão decidido aceitar a vontade maioritariamente expressa pela Câmara dos Comuns. A confirmar esta expectativa estão as declarações de Angela Smith, líder trabalhista na câmara alta, que admitiu que já não fará sentido proceder a alterações às emendas agora chumbadas para posterior reenvio para a câmara baixa. Citada pelo The Guardian, Angela Smith considera que "não há nenhuma indicação" de que a Câmara dos Comuns esteja disponível para "incorporar" as alterações pretendias pelos Lordes na legislação do Brexit. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pirem-se daí 13.03.2017

Venham para a UE

Anónimo 13.03.2017

Peguem nas poupanças, regressem à sua União Europeia e invistam cá dentro.

Conselheiro de Trump 13.03.2017

Nao e que nao estejamos habituados,mas o d.branca voltou a aldrabar quando disse que aos portugueses que vivem na Inglaterra nao lhes aconteceria nada no que toca a saida do pais.

pub
pub
pub
pub