Política Passos acusa Governo de querer "rapar fundo ao tacho" em vez de fazer reformas

Passos acusa Governo de querer "rapar fundo ao tacho" em vez de fazer reformas

O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou esta quarta-feira o Governo de querer "rapar o fundo ao tacho" em vez de fazer reformas, dizendo que essa é a estratégia no caso da Segurança Social e na relação com o Banco de Portugal (BdP).
Passos acusa Governo de querer "rapar fundo ao tacho" em vez de fazer reformas
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 10 de maio de 2017 às 21:57

No jantar de apresentação dos candidatos autárquicos em Almada, onde a ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque lidera a lista à Assembleia Municipal, Passos Coelho revelou que em 2015 o seu Executivo pediu ao governador do BdP, Carlos Costa, se esta instituição poderia "dar um contributo um bocadinho maior" das suas provisões para que Portugal ficasse abaixo do défice de 3% e assim sair do Procedimento por Défice Excessivo.

 

"O senhor governador na altura disse que não era possível, porque de acordo com as suas matrizes de risco era imprudente ao BdP fazê-lo", disse, apontando, contudo, que em 2016 o Banco mudou as suas matrizes e "já não foi imprudente fazê-lo", permitindo ao Governo socialista ficar com mais dividendos".

 

O líder social-democrata sublinhou que o BdP ainda faz cerca de mil milhões de euros de provisões por ano e ironizou: "Há-de ser meio ponto percentual do PIB. Isto para pagar a ausência de reformas é capaz de ser uma coisa interessante".

 

"A conversa é a mesma da Segurança Social, o que é preciso é ir rapar o fundo ao tacho, de forma a que se possa mudar o menos possível e depois fazer de conta que estava tudo bem", criticou, acusando o Governo de não querer fazer uma verdadeira reforma neste sector.

 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 11.05.2017

Este sr. pode falar o que falar, para mim não confio nele porque já me enganou. O que eu vejo é que onde fala está sempre a encher a panda e vai e não vai é sempre a dizer tolices.

Faz de conta que não andou lá, o povo tem memória 11.05.2017

Com meu voto não vais mais ao tacho,nasceste nele e ainda vives dele,porque ninguém te dá emprego,a sorte foi ires embora e termos a geringonça que foi a sorte de Portugal que são gente séria e honesta e fazem trabalho para tirar o país das amarras dos ladrões dos nosso impostos,vai estudar.

Mr.Tuga 11.05.2017

CONCORDO!

Deveriam aproveitar as melhorias da economia, taxas historicamente baixas e petrole baixo, para efectuar reformas no estado e reduzir divida...
Mas os tugaliticos imbecis e DESPESISTAS não tem visão de futuro!

NEGOCIOS ESCONDAM O TIPO 11.05.2017

Ó NEGOCIOS esta "boca" merecia destaque. Mas tambem vocês, reconhecendo o ridículo destas palavras, remetem-no para um canto. Passos Coelho auto "mutilou-se" politicamente. Dá uma imagem de masoquista. E com ele arrasta o PSD. Passos Coelho foi-se. É passado.

ver mais comentários