Política Passos acusa maioria de não quer reformar o país e de estar "à espera de milagres"  

Passos acusa maioria de não quer reformar o país e de estar "à espera de milagres"  

O ex-primeiro ministro, Pedro Passos Coelho, acusou o Governo e a maioria de esquerda de "não querer reformar nada no país e ficar à espera de milagres para poder dar mais a toda a gente".
Passos acusa maioria de não quer reformar o país e de estar "à espera de milagres"  
Lusa 05 de Novembro de 2016 às 10:35

"Este Governo não quer reformar nada. A maioria que hoje governa o país não quer reformar nada, quer milagres, quer sem mais esforço, sem mudar nada, esperar poder dar mais a toda a gente", afirmou esta noite o presidente do PSD.

 

Discursando na sexta-feira à noite, em Lousada, num encontro com militantes locais e dirigentes distritais, Passos lembrou o que se passou em 2011, quando o então primeiro-ministro, José Sócrates, "andou a dar tanto e mal e a gastar tanto sem retorno, que, quando depois precisava de dar mais ainda, foi lá ao fundo e já ninguém fiava e já não havia nada para dar".

 

A seguir, o presidente do PSD avisou: "Se queremos dar alguma coisa, temos de saber gerar alguma coisa de novo. Não se dá o que se não tem. E se queremos ter mais, temos de fazer por isso e não é ficar à espera que as coisas nos caiam no regaço".

 

Aplaudido pelos militantes que enchiam um auditório na freguesia de Sousela, o líder social-democrata criticava as opções do Orçamento do Estado, que sexta-feira foi aprovado, na generalidade, no parlamento, lamentando que o documento do Governo socialista não preveja ideias que permitam ao país voltar a crescer.

 

"É preciso fazer reformas para que esta sociedade, que queremos ver florescer no nosso país, possa efetivamente estar ao nosso alcance", defendeu.

 

Insistindo nas críticas à maioria de esquerda, o líder da oposição considerou que, após um ano de executivo do PS, "a única coisa que fica como desejo da atual maioria e do atual Governo é acabar com a austeridade, como se, vincou o social-democrata, houvesse alguém no país que não quisesse acabar com a austeridade".

 

"Mas eu andaria com mais prudência nessa matéria, porque não queremos regressar àquilo por que já passamos", acrescentou.

 

O antigo primeiro-ministro considerou que a realidade confirma que "falhou a estratégia" do atual Governo, recordando, a propósito, a "enorme diferença" que disse haver entre o discurso do Governo em matéria de crescimento, há um ano, e os resultados entretanto alcançados.

 

"Nem para o ano o Governo espera que a economia cresça tanto como cresceu connosco em 2015, o que se passa aqui então", questionou, prosseguindo: "Connosco a dívida começou a baixar, com este Governo está a subir, connosco as exportações cresciam ao dobro do ritmo que crescem com a atual solução do Governo, connosco até o consumo privado crescia mais do que com estes senhores que hoje governam. O desemprego baixou mais em 2015 do que este ano e criou-se mais emprego em 2015 do que este ano".

 

Passos assinalou que o PSD não está preso ao passado, mas não tem "vergonha ou embaraço" sobre aquilo que fez no anterior Governo.

 

"Simplesmente, acho que já é tempo de dizer que essa matéria transitou em julgado. Os portugueses sabem o que se passou, não esquecem que 2011 não aconteceu por acaso, sabem o que aconteceu pela mão de um partido, que por acaso está novamente no Governo, que nos trouxe praticamente à bancarrota", concluiu.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Rui Rio é o homem, porque tem carácter Há 2 dias

Tornou-se urgente repensar a liderança do Partido, visto que, com o presente presidente o PSD não terá qualquer hipótese de voltar a ser poder, nos próximos anos.
Passos Coelho está queimado, diria melhor, carbonizado, no conceito dos Portugueses.



Luis Há 2 dias

O que é que este bestunta aprendeu nas madrassas do Partido? Ainda hoje confunde reformas com cortes e roubos. O Governo não espera por milagres, faz milagres. O bestunta é que continua à espera do diabo. Sem ter ainda reparado que o diabo veio mas foi para ele. Vai voltar a colar cartazes em breve.

Desanimado Há 3 dias

Reformas!? Mas que reformas é que este emplastro laranja fez??? As reformas de passos foi cortar a eito e seriam cortar a eito. Quanto a esperar milagres penso que passos bem os pode esperar:

http://www.jornaldenegocios.pt/economia/politica/detalhe/psd-afunda-e-fica-a-10-pontos-do-ps?ref=HP_DestaquesPrincipais

Ó passos tu não passas das autárquicas por isso é melhor começares a pensar em asilares-te numa qualquer empresa que te dê guarida o que será difícil pois tu para além de fazeres cortes e lamber botas não sabes fazer mais nada.

Anónimo Há 3 dias

Ho Passo ele ha milagres,so que eles custam um dinheirao.Como na ideologia dos felinos do largo do rato nao sao para pagar,estao-se nas tintas para os custos deles.Mais tarde saberemos a quantidade de lagrimas que correm nas ruas(desesp).Infeliz/o pres.esta mais virado para cortesia dos seus sonhos

pub