Eleições Passos apela à mobilização porque "os resultados fazem-se nas eleições"

Passos apela à mobilização porque "os resultados fazem-se nas eleições"

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, apelou esta quinta-feira, em Cascais à mobilização dos eleitores, alertando que o partido "não pode ficar a contar com resultados feitos, os resultados fazem-se nas eleições".
Passos apela à mobilização porque "os resultados fazem-se nas eleições"
Luís Costa/Correio da Manhã
Lusa 28 de setembro de 2017 às 14:55
O líder do PSD dedicou esta quinta-feira, 28 de Setembro, a penúltima manhã de campanha ao município de Cascais, sempre com o presidente da Câmara e recandidato Carlos Carreiras, começando por visitar o pólo em construção da Universidade Nova, em Carcavelos, e seguindo depois de comboio até ao centro de Cascais, onde o esperava uma caravana composta por apoiantes de PSD e CDS.

"Não sabendo o resultado das eleições convém ir votar, convém não estar distraído, não podemos ficar apenas a contar com resultados feitos, os resultados fazem-se nas eleições, só nesse dia", apelou Passos, num rápido comício num largo de Cascais, depois de um breve percurso a pé pelas ruas das lojas.

Dizendo-se "muito confiante" quanto ao resultado em Cascais, Passos agradeceu o trabalho feito por Carreiras, à frente do município desde 2011.

Antes, também os candidatos à Câmara e à Assembleia Municipal, Carlos Carreiras (PSD) e Mota Soares (CDS-PP), alertaram contra o risco da perda da maioria absoluta em Cascais.

"Percebemos e temos identificados qual é o risco aqui em Cascais, sabemos que se o PS e o PCP tiverem votos vão fazer tudo para torpedear, esse é o risco que temos de travar", apelou o democrata-cristão, saudando os apoiantes da coligação em Cascais que permitiram "improvisar um comício onde o PS não conseguiu fazer um", referindo-se à uma acção de campanha socialista de terça-feira.

Carreiras apontou o PCP como "quem lidera a oposição em Cascais" e alertou contra os riscos de uma aliança entre PS e CDU no concelho: "O pior que podia acontecer a Cascais era não avançar mas andar para trás".



A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
eleitor 29.09.2017

Por os vistos está a contar com muita abstenção e arrecadar meia dúzia de votos !

General Ciresp 29.09.2017

Entao explica la como e que foi possivel o vencedor das urnas nas ultimas eleicoes nao paroquiais nao ter direito de governar.Afinal para que serve o voto do eleitor?Ja la vao 2 anos quase e ainda nao vi ninguem (r)emendar tal BABARIDADE.Entao eu voto e ganho e os outros e q alapam o cu na gamela!!!

Bela 29.09.2017

Então um dia as eleições são importantes para este trafulha no outro dia não São?

Baralhado 28.09.2017

Mas não foi esta coisa que disse que se lixem as eleições?

ver mais comentários