Economia Passos Coelho desafia Governo a aumentar pensões em Janeiro

Passos Coelho desafia Governo a aumentar pensões em Janeiro

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, desafiou o Governo a aumentar as pensões no início do próximo ano, em vez de o fazer em Agosto, próximo da realização das eleições autárquicas de 2017.
Passos Coelho desafia Governo a aumentar pensões em Janeiro
Miguel Baltazar
Lusa 20 de Novembro de 2016 às 18:15

"O Governo que diga quanto é que tem para aumentar as pensões, dentro dos equilíbrios delicados que atingiu. Mas o que quer que tenha para aumentar as pensões abaixo de 628 euros por mês - estamos a falar, portanto, de pensões baixas -, que distribua esse dinheiro que tem para o aumento das pensões de uma forma equitativa, para todos, a partir de 1 de Janeiro, não em Agosto", afirmou Pedro Passos Coelho este domingo.

 

O líder nacional do PSD falava na Guarda, onde presidiu à sessão de encerramento da III Academia do Poder Local, organizada pelo PSD e pelos Autarcas Social-Democratas (ASD).

 

Sobre o anunciado aumento das pensões, questionou ainda, no seu discurso: "Por que é que é em Agosto? Daqui até Agosto não há dinheiro para pagar? O Estado só vai ter dinheiro para pagar em Agosto?".

 

"Está bem à vista de todos que em Agosto estamos na véspera da campanha eleitoral e que o Governo faz contas de cabeça com a sua maioria. Vamos dividir a democracia pelos seus beneficiários. Quantos são os pensionistas, quantos são os servidos do Estado? Podemos dar-lhes mais qualquer coisinha para a eleição? Vamos dar", disse, lembrando que "foi assim em 2009, não é novo".

 

"O Governo em 2009, do PS, procedeu assim. E infelizmente teve consequências muito mais graves que esperemos que não estejam no nosso horizonte agora, mas como forma de exercer o poder, diz tudo sobre aqueles que tomam estas decisões", rematou.

 

O presidente do PSD referiu ainda que "é preciso realmente perder todo o sentido da decência democrática para andar a organizar, a preparar benefícios sociais e aumentos para campanha eleitoral". "Podem fazê-lo, mas fica-lhes mal. Disse ontem [sábado] e repito, eu teria vergonha de ter este comportamento democrático", afirmou.

 

No seu discurso falou também das várias propostas que o PSD apresentou ao Orçamento do Estado para 2017 em matérias como a descentralização, a Segurança Social e o crescimento económico.

 

Na Segurança Social lembrou que, este ano, o Estado "transferiu quase 600 milhões de euros dos impostos dos portugueses para o orçamento da Segurança Social" e para o ano "prevê-se que esse valor seja superior a 400 milhões de euros". Em sua opinião, "isto significa que alguma coisa de estrutural tem de se alterar para que no futuro não haja solavancos".

 

Apontou que o Governo lançou um novo imposto adicional ao IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis) cuja receita é para a Segurança Social, o que significa um reconhecimento claro "de que há um problema estrutural" neste sector.

 

Com o novo imposto, o Governo não está a impedir o desequilíbrio "está apenas a empurrar com a barriga", observou, defendendo que era bom que mostrasse vontade "para resolver o problema".




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado SÍTIO MUITO MANHOSO Há 2 semanas


...COMO REFORMADO, POSSO DESAFIÁ-LO ? ENTÃO CÁ VAI:

EMIGRE, MATE-SE...O POVO AGRADECE !!!

PRONTO. ESTÁ FEITO O MEU DESAFIO.

comentários mais recentes
Francisco António Há 2 semanas

Enquanto foi PM cortou as pensões e perseguiu os reformados. Agora faz promessas e mais promessas. Anda anda e ainda vai oxigenar o penteado...

Anónimo Há 2 semanas

É PRECISO NÃO TER VERGONHA NO FOCINHO! UM GATUNO QUE A ÚNICA COISA QUE SOUBE FAZER FOI ROUBAR PENSIONISTAS E REFORMADOS VEM EXIGIR AUMENTOS! SERÁ QUE ESTÁ BOM?É UM BURRO QUE AINDA NÃO ENTENDEU QUE FOI ESTA A CLASSE QUE O DERROTOU E O HÁ-DE DESTERRAR PARA AS PROFUNDEZAS DO INFERNO! PASSOS = MISÉRIA !

Ladrão da Tecnoforma Há 2 semanas

Noutro país, com uma PROCURADORA-GERAL DA REPÚBLICA isenta, estarias na prisão, ladrão, pelos dinheiros públicos que roubaste na TECNOFORMA (empresa apenas de fachada), em conluio com o teu amigo do peito, o escroque Miguel Relvas.

QUANDO O CARÁCTER FALTA É NO QUE DÁ ... Há 2 semanas

Em relação a um cana-lha que roubou, durante 4 anos, aos salários e pensões, para que os mais ricos duplicassem as suas fortunas, esta sua proposta sem vergonha mostra, à saciedade, tratar-se de um biltre desonesto e sem qq carácter, que anda desesperadamente a lutar pela sobrevivência política.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub