Política Passos Coelho diz que nem a tragédia de Pedrógão deu sentido de Estado ao primeiro-ministro

Passos Coelho diz que nem a tragédia de Pedrógão deu sentido de Estado ao primeiro-ministro

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou hoje que nem uma tragédia como a de Pedrógão Grande deu sentido de Estado e seriedade política ao primeiro-ministro.
Passos Coelho diz que nem a tragédia de Pedrógão deu sentido de Estado ao primeiro-ministro
Lusa 27 de agosto de 2017 às 17:56

Em declarações aos jornalistas em Ribeira de Pena, Passos Coelho reagiu ao discurso com que o primeiro-ministro assinalou a rentrée socialista, em Faro, no qual acusou os líderes do PSD e do CDS-PP de nada terem feito pela floresta quando estavam no Governo e de ter sido preciso chegar a tragédia para que "acordassem e viessem ao debate".

 

"Nem uma tragédia como a de Pedrógão deu sentido de Estado e seriedade política ao primeiro-ministro", afirmou o líder do PSD.

 

O presidente social-democrata considerou que o discurso de António Costa "é mais ou menos um clássico". "O primeiro-ministro procura esconder o fracasso da sua governação atacando aqueles que denunciam esse fracasso", sustentou.

 

Passos Coelho disse que, em 40 anos de democracia, nunca se assistiu a "um espetáculo" como o que está a acontecer actualmente, em que o "país arde e a Proteção Civil mostra-se impotente para resolver a situação".

 

"A Proteção Civil (...) depende do Governo. Ao cabo de praticamente dois anos de governação (...) o primeiro-ministro acha que a culpa é da oposição", salientou o responsável.

 

O presidente social-democrata disse que "ninguém pode levar isto a sério".

 

"Sempre que alguma coisa corre mal, a culpa é da oposição ou do passado, quando as coisas correm bem toda a gente deve favores e elogios ao primeiro-ministro e ao Governo. É uma maneira de estar na política, não é a minha seguramente", sublinhou.

 

Pedro Passos Coelho disse, ainda, que o PSD votou contra grande parte do pacote florestal aprovado recentemente porque "não é reforma nenhuma".

 

"O primeiro-ministro fez uma concessão ao Bloco de Esquerda, fazendo uma espécie de proibição administrativa do eucalipto e chamou a isto a reforma da floresta", sustentou.

 

Aliás, frisou, chamar "reforma da floresta àquilo que foi aprovado só pode ser uma caricatura" e considerou que há matérias importantes relacionadas com "o ordenamento da floresta e com o cadastro para as quais o Governo acordou muito tarde".

 

O presidente social-democrata disse que o seu partido apresentou iniciativas no Parlamento ligadas à floresta "muito antes do Governo ter acordado" para este assunto. E, sublinhou, enquanto o PSD queria "discutir o cadastro" o "Governo andava a nomear o novo presidente para a Proteção Civil, um novo comandante das operações nacionais e a nomear comandantes distritais".

 

"Entretanto, esqueceu-se que o SIRESP, que tantos problemas deu este ano, foi justamente o SIRESP que ele contratou quando era ministro da Administração Interna e até o SIRESP ele utiliza como se fosse uma responsabilidade da oposição", afirmou.

 

Passos Coelho falava antes da apresentação da candidatura do PSD a Ribeira de Pena, no distrito de Vila Real, que é encabeçada pelo antigo autarca Agostinho Pinto.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Isto é o monstro do cavaquismo,a destruir. 28.08.2017

Nunca ouvi passos criticar os mercenários dos isqueiros,estes a que são os responsáveis dos incêndios o resto são tretas, negocio de empresas privadas para apagar fogos,um negócio montado por o cavaquismo para destruir o País.

Ex.votante do PSD,não me levam o voto acabou. 27.08.2017

O sentido de estado deste menino é de traidor de Portugal,deitou um governo abaixo para ir para o poleiro sem ter condições para governar um País,e foi o que o povo sabe sacou a todos e vendeu o País A RETALHO,SE NÃO FOI-SE CORRIDO O QUE SERIA HOJE PORTUGAL.

Para Costa ter sentido de Estado 27.08.2017

Deveria ter vergonha na cara.
Assim não espetava uma faca nas costas do Seguro para lhe roubar o lugar de SG do PS; derrotado nas eleições teria ido para a oposição, deixando o vencedor das eleições governar, não usurpando o lugar de Pm.
Costa jamais terá sentido de Estado, será sempre oportunista

pub