Política Passos Coelho não se recandidata à liderança do PSD

Passos Coelho não se recandidata à liderança do PSD

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, anunciou hoje na reunião da Comissão Política Nacional que não se irá recandidatar ao cargo nas próximas eleições diretas, disseram à Lusa fontes sociais-democratas presentes neste órgão.
Passos Coelho não se recandidata à liderança do PSD
Lusa Marta Moitinho Oliveira 03 de outubro de 2017 às 16:57
O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, anunciou hoje na reunião da Comissão Política Nacional que não se irá recandidatar ao cargo nas próximas eleições directas, disseram à Lusa fontes sociais-democratas presentes neste órgão.

Contactada pela Lusa, fonte oficial do PSD remeteu uma resposta para a intervenção inicial de Passos Coelho no Conselho Nacional, na noite desta terça-feira, 3 de Outubro, que será aberta à comunicação social.

A RTP avançou entretanto que as directas para a eleição do líder social-democrata poderão realizar-se a 2 de Dezembro.

Na noite das eleições autárquicas, no domingo, nas quais o PSD obteve o seu pior resultado de sempre, Passos Coelho reiterou no que não se iria demitir na sequência de resultados de eleições locais, mas prometeu uma "reflexão ponderada" sobre se iria ou não recandidatar-se ao cargo nas directas previstas para o início do próximo ano.

No domingo, o líder o PSD deixou a porta aberta para não se recandidatar à liderança do partido, depois de considerar que o mau resultado das autárquicas poderia afectar a estratégia do partido. "A estratégia nacional não ficará seguramente imune à avaliação que desses resultados vier a ser feita", disse na sede da São Caetano à Lapa, depois de considerar que os resultados das autárquicas eram "pesados" para o partido. 

"É preciso avaliar se, no interesse do país e do PSD, o que interessa é manter a orientação estratégica que está definida ou se outra pode ser seguida", explicou aos jornalistas, acrescentando que abriria um período de reflexão sobre as condições de que dispunha para se recandidatar em 2018.
 

"É essencial avaliar se o tempo que o PSD precisará de gastar a discutir a sua própria situação interna é uma vantagem ou desvantagem para aquilo que precisa de fazer em termos de oposição no país", acrescentou, explicando que "essa será a avaliação mais relevante que precisa de ser feita". 

As eleições directas estavam agendadas para final de Janeiro ou início de Fevereiro, mas na noite das eleições autárquicas o líder do PSD admitiu que pudessem acontecer uma ou duas semanas antes. Pelos estatutos do partido, o congresso está marcado para Abril.

Rio avança até final da próxima semana

A reacção de Passos depois das eleições levou Rui Rio - que é visto como o candidato mais bem colocado à sucessão - a acelerar a preparação da sua candidatura. Dias antes das autárquicas, o Observador noticiou que Rio avançaria "em qualquer circunstância". 

O ex-autarca do Porto deverá anunciar a candidatura à liderança do PSD dentro de dias. A comunicação pública deverá ser feita até ao final da próxima semana, avança a revista Visão no site, antecipando assim o tema da capa que vai esta quarta-feira para as bancas. 

A intenção de Rui Rio avançar é conhecida há semanas, refere a publicação. O cenário em que o ex-autarca trabalhava era o de concorrer à liderança do partido "em qualquer circunstância", ou seja, fosse qual fosse o resultado do PSD nas eleições autárquicas de 1 de Outubro. 

Entretanto os sociais-democratas Paulo Rangel e Pedro Duarte apelam a que haja uma discussão de ideias e não apenas de lideranças. 


(Notícia actualizada às 10:17)



A sua opinião53
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Marcelo já foi certamente endoutrinado na cartilha anti-liberal do fundamentalismo islâmico. Em comparação com Marcelo e o seu governo das esquerdas unidas, Obama foi mesmo um fanático ultra neoliberal. Os fanáticos terroristas radicais, selvaticamente anti-liberais e inerentemente anti-mercado concorrencial, estão a conquistar território no al-Gharb al-Andalus. Da próxima chamem mas é a ONU que com a troika já não vai lá. O caso é cada vez mais sério. "Job shifts under Obama: Fewer government workers, more caregivers, servers and temps" www.pewresearch.org/fact-tank/2015/01/14/job-shifts-under-obama-fewer-government-workers-more-caregivers-servers-and-temps/

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Outros colherão os louros do bom trabalho realizado em conformidade com as sensatas e muito oportunas sugestões da troika UE-FMI, feitas por altura da pré-falência anunciada da República Portuguesa. Pelo menos enquanto não estragarem todo esse trabalho realizado... Ainda hoje um baboso idiota e sem seriedade veio, com flamejante coroa de louros poisada sobre as suas exuberantes armações adornadas, falar na fantástica transformação positiva do sector industrial têxtil português nesta década.

Anónimo Há 2 semanas

Ai é! Então podes ficar com todas as medalhas do Mundo faz bom proveito delas!

IDEIAS..?...PRO PAIS..!!..?aaah!eeeeh!..LOL. Há 2 semanas

Afinal o Diabo nao veio.....CHAMOU-O.
MUITO BEM....plo que fez ...estao um pro outro.
Que va pro diabo....... e por la fique.

semcrer Há 2 semanas

Anónimo, conseguiste com que desse uma boa gargalhada!

Fica sabendo que, para mim, um insulto de gentalha da tua laia é como se de uma medalha se tratasse!

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub