Política Passos Coelho: País estaria a "crescer mais" se PSD estivesse a governar

Passos Coelho: País estaria a "crescer mais" se PSD estivesse a governar

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou que o país estaria a "crescer mais" e a "reduzir mais a dívida" se o PSD estivesse a governar.
Passos Coelho: País estaria a "crescer mais" se PSD estivesse a governar
Paulo Duarte
Lusa 06 de setembro de 2017 às 22:23

"Hoje, que há condições de recuperação económica, de emprego, de conjuntura externa favorável, o que nós esperamos é que se faça pelas oportunidades maiores no futuro, não é que se fique a viver da herança, das reformas que foram feitas, e da conjuntura que corre. O que nós queremos é criar condições para podermos estar a crescer mais e podíamos estar a crescer mais do que estamos a crescer hoje e, se nós estivéssemos a governar, estaríamos a crescer mais", afirmou o líder do PSD esta quarta-feira, 6 de Setembro.

 

Passos Coelho falava no jantar autárquico do PSD de Celorico da Beira, no distrito da Guarda, de apoio à candidatura de Carlos Ascensão à Câmara Municipal local. "E estaríamos a reduzir mais a dívida, não há dúvida. E estaríamos a atrair melhores condições para o investimento", sublinhou o líder do PSD no seu discurso que durou cerca de 15 minutos.

 

Antes de proferir estas declarações, afirmou: "Não podemos deixar correr o marfim, como se costuma dizer. Não podemos empurrar com a barriga. Não podemos andar com uma conversa que possa induzir as pessoas em erro, como hoje em dia se passa no país".

 

"Toda a gente ouve. Volta em meia volta, lá aparece um responsável a dizer: 'virámos a página da austeridade'. Todos os anos viram a página da austeridade, é sempre a mesma página. Eu acho que eles não mudaram de página. Não mudaram nada. Desse particular, não mudaram nada de significativo", observou.

 

Passos Coelho prosseguiu: "depois querem que as pessoas acreditem que governar hoje é a mesma coisa que governar como em 2011 quando não havia dinheiro e estávamos à beira da bancarrota". "E fazem uma enorme conversa para que as pessoas acreditem que no passado as coisas só foram difíceis porque quem governou quis", criticou.

 

Para o ex-primeiro-ministro, "entra pelos olhos de qualquer pessoa que esta é uma conversa que nem é leal nem é séria". "Toda a gente sabe. Viver em tempos de recuperação económica e financeira - e nós fizemos muito por isso -, não é a mesma coisa que governar em tempos de dificuldades e em que não há dinheiro. As soluções que podemos encontrar são muito diferentes. Hoje o que nós exigimos não é o mesmo que se exigia em 2011", esclareceu.

 

Antes do presidente do PSD discursou Carlos Peixoto, líder distrital do PSD da Guarda, que se dirigiu ao candidato social-democrata à autarquia de Celorico da Beira e vaticinou que vai ser "o próximo presidente da Câmara". E aludindo ao apelido de Carlos Ascensão, referiu que o candidato "está em ascensão até à vitória final".

 

No início da sessão, que decorreu numa unidade hoteleira de Celorico da Beira, a apresentadora de serviço enganou-se por duas vezes e referiu-se a Pedro Passos Coelho como sendo o presidente do "partido socialista democrata". A gafe foi prontamente corrigida pelo líder distrital do PSD, ao afirmar que Passos Coelho não era líder do Partido Socialista mas sim do Partido Social Democrata.




A sua opinião28
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
eleitor Há 2 semanas

Um forte convite a imigrar ,como nos anos 60, mandando o dinheiro da escravidão para as famílias que por cá ficaram em moeda estrangeira. Quem mais quer isso ?????

eleitor Há 2 semanas

Sem duvida !!!!,,, sobretudo com este Sr. no desgoverno !. A solução é simples , cortar tudo no Estado Social, como no tempo de Salazar, cofres cheios de ouro e o Povo de pés descalços a passar fome , bem submisso ao regime sobre vigilância apertada . Vida choruda só para alguns . (a seguir......

oluapaxe Há 2 semanas

O passos cortava 600 milhões o costa cativou 1000 milhões e o passos é mau e o costa é bom. Carrega costa que este acéfalos gostam!!! Se cativares 2000 milhões este acéfalos vão ter orgasmos!!!

Anónimo Há 2 semanas

Com os cortes de pensões e salários que tinhas programados estávamos era no meio de uma nova recessão.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub