Política Passos Coelho quer "esclarecimento cabal" sobre viagens pagas por multinacionais

Passos Coelho quer "esclarecimento cabal" sobre viagens pagas por multinacionais

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, considerou necessário haver um "esclarecimento cabal" sobre as polémicas viagens alegadamente pagas por multinacionais e a penalização de quem não cumpre a lei.
Passos Coelho quer "esclarecimento cabal" sobre viagens pagas por multinacionais
Lusa 06 de setembro de 2017 às 20:14

Passos Coelho falava aos jornalistas esta quarta-feira em Aguiar da Beira, depois de questionado sobre a notícia hoje avançada pelo jornal i de que a Microsoft "tem vindo a convidar autarcas para viajar até à sede da multinacional em Seattle, com apoio na despesas", tendo "Mauro Xavier e Pedro Duarte, quadros da Microsoft e do PSD", sido "responsáveis por endereçar os convites".

 

"Não tenho nenhuma ideia de que na maioria sejam social-democratas. É verdade que há grandes empresas, nomeadamente multinacionais, que têm essa abordagem de natureza comercial", afirmou.

 

Na opinião do líder social-democrata, é preciso que "essas práticas dessas empresas sejam contrastadas, no que respeita à esfera pública, com aquilo que são boas práticas que devam ser seguidas".

 

"E isso sim, têm vindo a público ao longo destes meses notícias de pessoas que podem, na área pública, ter estado associadas a convites dessa natureza e que os aceitaram e que merecem uma explicação pública", acrescentou.

 

Segundo Passos Coelho, deve haver investigação do Ministério Público, "para que todos possam ter noção do que deve ser feito e do que não deve ser feito", e deve ser penalizado "quem não cumpriu as regras que estão prescritas na lei". "O resto é um debate que eu acho que é importante um dia fazer-se em Portugal sobre a forma como muitas vezes estas empresas atuam", frisou.

 

No seu entender, "há uma exigência muito maior da sociedade em querer apurar com transparência as práticas que essas empresas têm, mas sobretudo a prática que pessoas que estão ligadas a instituições públicas seguem". "E isso deve ser feito com toda a transparência também", acrescentou.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado IS 06.09.2017

Concordo com Pedro Passos Coelho nesta matéria.

comentários mais recentes
Anónimo 06.09.2017

Em todos haverá oportunistas misturados com gente honesta. Enquanto os partidos políticos cá do sítio não se purgarem e correrem com o lixo, cada vez mais se assemelham a latrinas mal cheirosas.

IS 06.09.2017

Concordo com Pedro Passos Coelho nesta matéria.

É assim mesmo Passos... 06.09.2017

Está na hora de fazer a limpeza do sujo que conspurca os partidos. Os corruptos!

Camponio da beira 06.09.2017

Entaõ, não são escolhidos a dedo, pelo curriculum? Eles só fazem o que sabem fazer melhor!

pub