Política Passos defende que reversão da reforma do IRC foi a que mais prejudicou empresas

Passos defende que reversão da reforma do IRC foi a que mais prejudicou empresas

Passos Coelho lamentou que não tivesse prosseguido a trajectória de descida do IRC prevista pelo Governo que liderou.
Passos defende que reversão da reforma do IRC foi a que mais prejudicou empresas
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 20 de setembro de 2017 às 14:23

O presidente do PSD considerou hoje que a reversão da reforma do IRC foi a que teve "um impacto mais negativo" para os empresários portugueses, depois de visitar uma empresa de transportes em Amares (Braga).

 

Numa acção de campanha autárquica de apoio ao candidato da coligação PSD/CDS-PP Manuel Moreira - actual presidente da câmara, mas que há quatro anos foi eleito pelo PS -, Passos Coelho lamentou que não tivesse prosseguido a trajectória de descida do IRC prevista pelo Governo que liderou.

 

"O facto disso ter sido revertido preocupa-nos, era muito importante que pudéssemos continuar a criar ambiente favorável à competição económica e que as pessoas pudessem ter melhores empregos", defendeu, considerando que uma fiscalidade adversa pode gerar dificuldades na criação de melhores salários.

 

O líder do PSD alertou também para uma preocupação manifestada pelo administrador da empresa de transportes que visitou ao lado do candidato a Amares, relacionada com as dificuldades dos acessos rodoviários locais.

 

"Estamos a falar, no essencial, de obras que estavam previstas ao nível do plano de proximidade das Infraestruturas de Portugal e que não foram feitas por escolhas orçamentais, era importante que o Governo não fechasse os olhos nas opções que vai fazer no futuro", apelou Passos Coelho, que nesta acção de campanha em Amares contou com a presença do antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro.

 

No final da visita à empresa, Passos sentou-se aos comandos de um camião TIR e revelou que, nos tempos em que era administrador da Fomentinvest, já geriu uma empresa que tinha uma frota de camiões.

 

"Isto parece quase um hotel", comentou, sentado ao volante, enquanto tentava chegar o banco para trás, já que, disse, gosta de conduzir mais afastado.

 

Não chegou a rodar a chave da ignição, mas, questionado, se se sente preparado para conduzir os destinos da oposição até às autárquicas de 1 de Outubro respondeu de forma pronta.

 

"Não sinto preparado, eu já estou a conduzir. O PSD é um grande partido e procura nestas eleições recuperar uma posição cimeira no plano autárquico e é isso que estamos a fazer, estamos a trabalhar para isso", disse.

 

Além de Manuel Moreira (PSD/CDS-PP), concorrem às autárquicas em Amares Pedro Costa (PS), António Costa (CDU) e o independente Emanuel Magalhães.

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Passos há um pormenor muito importante 20.09.2017

Os esquerdalhos não sabem o que é uma empresa!
Provavelmente também nunca trabalharam na vida.
São parasitas agarrados ao Estado, sustentados por nós, com o suor dos nossos impostos.
Por isso IRC não lhes diz nada.
IRC =Roubo às empresas

LOLOLOLOLOL 20.09.2017

lol

pertinaz 20.09.2017

CARREGA PASSOS...!!!

General Ciresp 20.09.2017

Secalhar e assim:os islamitas matam,e os radicais destroiem.Agora fazelos ver as coisas as direitas e que nao vai ser facil.Quem nasce as avessas,nao desavessa,penso.

Saber mais e Alertas
pub