Defesa Passos diz que roubo de Tancos "obriga" também Marcelo a definir-se

Passos diz que roubo de Tancos "obriga" também Marcelo a definir-se

O líder social-democrata recorda que Marcelo Rebelo de Sousa, enquanto Presidente da República "é, nos termos da Constituição, o comandante em chefe das Forças Armadas".
Passos diz que roubo de Tancos "obriga" também Marcelo a definir-se
Negócios com Lusa 02 de julho de 2017 às 20:57
O presidente do PSD, criticou hoje o silêncio do governo quanto ao furto de nos paióis de Tancos, mostrando-se "atónito" com a divulgação da lista de material de guerra no jornal "El Español".

"Estou atónito ao ver a indicação de que tinha sido um jornal espanhol a publicar a lista completa do material que foi furtado em paióis portugueses", disse, considerando que é, "pelo menos, desrespeitoso para o país que as nossas autoridades não saibam explicar o que se passou e exista um jornal espanhol a publicar" essa informação.

Esta situação "não pode ficar no silêncio. Esta é uma matéria de extrema gravidade", afirmou Pedro Passos Coelho em Proença-a-Nova, no distrito de Castelo Branco.

O presidente do PSD, que falava durante a apresentação da candidata independente pelo PSD, Helena Mendonça, às eleições autárquicas de Outubro, recordou as suas declarações proferidas no sábado, em que disse estranhar que, ao nível da hierarquia militar, ninguém tenha colocado o lugar à disposição ou que alguém tenha sido exonerado.

"Os militares são muito prontos a assumir responsabilidades. Quando se trata de colocar o lugar à disposição, isso nunca se faz para reconhecer uma fraqueza. Faz-se sempre para recolher a autoridade que é necessária para fazer o que falta para a frente. Não é um sinal de fraqueza, pelo contrário", explicou.

Quando alguém, na hierarquia militar, coloca o lugar à disposição, "está a interpelar o poder político, se tem dele a confiança ou não, para fazer o que precisa, não é um sinal de fraqueza, acrescentou.

O líder social-democrata explicou que esta situação "obriga" o Governo a definir-se e a assumir responsabilidades e, neste caso, fez também uma referência ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa: "Não só o Governo, mas também o Presidente da República, porque o Presidente da República é, nos termos da Constituição, o comandante em chefe das Forças Armadas".

Passos Coelho disse ainda que este é o tempo em que os políticos procuram descartar e relativizar os problemas.

Por isso, "é natural que os partidos queiram pedir responsabilidades a quem governa". É "isso que procuramos fazer com as nossas intervenções: exige-se de um partido da oposição que alerte para os problemas e chame à responsabilidade quem está no governo", explicou.

O presidente dos sociais-democratas considerou que hoje não existe um Governo que politicamente apareça a coordenar as operações: "Falar não é comandar".

Numa alusão ao incêndio de Pedrógão Grande, que causou 64 mortos, Passos Coelho falou no medo que se apoderou das pessoas, numa altura em que se entrou na fase mais arriscada (fase Charlie) e disse que as pessoas ainda não perceberam que medidas o Governo está a tomar para evitar que a situação se repita.

E, sobre este tema, adiantou que o PSD não irá prescindir, a seu tempo, que estas matérias sejam escrutinadas tecnicamente e de saber se o que aconteceu em Pedrógão Grande, era ou não evitável: "Isso não pode acontecer".

"Empurra-se de um lado para o outro a responsabilidade e ninguém quer apresentar uma resposta unificada. Não sabemos o que o Governo está a fazer. O primeiro-ministro fez um despacho a fazer perguntas, a ministra [da Administração Interna] manda fazer estudos de avaliação sobre o SIRESP (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal)", frisou.

Por isso, o líder do PSD entende que os desenvolvimentos a que se assistiu no país nas últimas semanas mostram que perante "dificuldades mais sérias", o "país descobriu que tinha um Governo que não estava preparado para elas".



A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado IS 04.07.2017

A definição de Prof Marcelo Rebelo de Sousa está feita. Resta ao PR exigir investigação total.

comentários mais recentes
Anónimo 09.07.2017

Marcelo já se definiu há muito tempo. O que ele quer são votos, likes e dar palmadinhas nas costas. O excedentarismo dá-lhe votos, as pensões de reforma que dão tudo hoje e nada amanhã dão-lhe likes e as palmadinhas nas costas dos pobrezinhos e esquecidos é o que melhor sabe fazer sem contudo solucionar de modo inteligente, justo e sustentável o que quer que seja.

Anónimo 07.07.2017

ÉS MESMO BURRO! AGORA O DIABO,DEPOIS MORTES INVENTADAS, ACREDITAS NO MATERIAL DIVULGADO POR UM JORNAL MAS AFINAL Q EXTRATERRESTRE ÉS TU? É ASSIM Q QUERES VOLTAR AO PODER? METE NESSA MONA: DURANTE 10 ANOS ESTÁS MORTO OU ESQUECESTE O ROUBO AOS REFORMADOS A INCOMPETÊNCIA A VENDA A PATACO DAS EMPRESAS?

Anónimo 05.07.2017

Costa em tão pouco já um admirável currículo: morte de 5 jovens bombeiros, morte de 64 pessoas e um numero indeterminado de feridos, roubo de armamento em quartel, ... Já se pode candidatar à ONU.

IS 04.07.2017

A definição de Prof Marcelo Rebelo de Sousa está feita. Resta ao PR exigir investigação total.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub