Economia Passos lembra quando "a troika trabalhava" e "o País aproveitava as pontes"

Passos lembra quando "a troika trabalhava" e "o País aproveitava as pontes"

Pedro Passos Coelho justificou hoje pela segunda vez a decisão de acabar com a tolerância de ponto no Carnaval, afirmando que o país tem que acabar com os "velhos comportamentos preguiçosos".
Nuno Carregueiro 06 de fevereiro de 2012 às 20:30
O primeiro-ministro, no discurso que efectuou nas comemorações do 40.º Aniversário da PEDAGO (Campus Educativo da Serra da Amoreira), em Odivelas, voltou a justificar a decisão de acabar com a tolerância de ponto no Carnaval.

Para Passos Coelho, Portugal tem que “transformar as velhas estruturas anacrónicas”, bem como os “velhos comportamentos preguiçosos, em comportamentos mais descomplexados, abertos e competitivos”. Isso “depende de nós”.

O primeiro-ministro utilizou o que se passou no ano passado para justificar o fim da tolerância de ponto no Carnaval. Um exemplo, de uma “pequena coisa”, que mostra a diferença entre “quem tem ambição e quem fica agarrado ao passado”.

“Recordam-se o caricato que foi na altura, que foi a troika estar em Lisboa a trabalhar, para saber como deviam fechar o acordo de ajuda a Portugal, estando o país fechado para férias devido a umas pontes”, afirmou Passos Coelho.

O primeiro-ministro referia-se aos feriados de 10 de Junho (sexta-feira) e de 13 de Junho (em Lisboa, numa segunda-feira), que levaram muitos portugueses a tirar umas mini-férias, precisamente na altura em que se acertavam os últimos detalhes do memorando de entendimento.

“A troika trabalhava. O País aproveitava as pontes”, afirmou Passos Coelho, lamentando que o país esteja agora a discutir se “temos ou não tolerância de ponto no Carnaval”.

O País “está numa situação de emergência nacional”, disse Passos Coelho, lembrando que “precisamos de pedir um empréstimo para pagar as nossas obrigações” e quem “sem isso estaríamos na bancarrota”.

Já esta tarde Passos Coelho tinha justificado o fim da tolerância de ponto no Carnaval com o ano de emergência que Portugal está a viver. “Espero que os portugueses percebam que não estamos em tempo de falar de tradições”, referiu, acrescentando ser preciso distinguir entre “quem quer superar a crise” e “quem quer ficado agarrado às velhas tradições”.



A sua opinião44
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
monica 13.02.2012

sera que o passos coelho vai trabalhar e os professores,os da escola onde trabalho não vão,mas as auxiliares sim e as monitoras de atl tambem,pois o agrupamento da escola assim o decidio,sera que no agrupamento tambem vão todos trabalhar,pois é.

Valdemar 10.02.2012

O problema é que aquilo que me foi tirado injustamente foi na altura uma maneira de acrescsntar mais algum aos ordenados de miséria que sempre tivemos mas tal como antigamente sardinha e carapau era comida de pobre hoje férias e Natal é só para os bons ordenados.

Anónimo 08.02.2012

Já não há pachorra para este PM paternalista. Francamente! Acha que é assim que motiva os portugueses ? Trata-nos como se fôssemos uma corja de preguiçosos mentecaptos. Só se expõe ao ridículo e aos comentários jocosos!

flavito 07.02.2012

O Coelho nem é mau rapaz. Mas, para além de mentiroso compulsivo, tem saídas (como esta) que são autênticos festivais de estupidez. A verdade é que ele é estruturalmente burro.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub