Política Passos pede que não se doure "a pílula" para evitar repetir "histórias complicadas"  

Passos pede que não se doure "a pílula" para evitar repetir "histórias complicadas"  

O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, defendeu hoje que os políticos devem ser responsáveis e "não dourar a pílula" sobre a situação económica portuguesa, sob pena de se repetirem "histórias complicadas" que Portugal viveu num passado recente.
Passos pede que não se doure "a pílula" para evitar repetir "histórias complicadas"  
Lusa 24 de janeiro de 2017 às 19:00

"Julgo que os portugueses não perdoariam se os políticos não tivessem maturidade suficiente para lhes pouparem histórias tão complicadas por aquelas que passámos no passado recente", defendeu o líder do PSD, num colóquio organizado pelo Conselho Nacional de Juventude (CNJ).

 

Questionado sobre o problema da elevada dívida portuguesa, Passos sublinhou que a capacidade de o país ir buscar dinheiro ao mercado, no passado "muito barato", revelou-se "uma armadilha muito grande", de que hoje é difícil sair "de forma indolor".

 

"Desconfiem quando aparecer alguém a dizer que tem uma óptima solução, que não custa a ninguém porque isso é uma espécie de milagre", afirmou.

 

Admitindo que os portugueses podem estar cansados de ouvir falar destes problemas, depois de vários anos de crise, Pedro Passos Coelho considerou, contudo, que seria "um erro trágico" pensar que esse problema não existe.

 

"Isso exige que os políticos tenham responsabilidade, não andem a maçar as pessoas desnecessariamente, mas não andem a dourar tanto a pílula que as pessoas pensem que o céu continua a ser o limite", alertou, considerando inviável em Portugal um modelo económico em que os depósitos e a poupança baixem e o consumo continue a aumentar.

 

"Esse é um modelo falido -- se insistirmos nele daremos razões às pessoas para se maçarem outra vez com coisas que não gostaríamos que acontecessem", disse.

 

Ainda assim, considerou, o problema da dívida portuguesa, sendo pesado, "não é insustentável".

 

"Eu diria que é tão mais insustentável quanto mais crescerem as vozes a achar que é muito mais fácil não pagar do que pagá-la", alertou.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tecno - 666 Há 2 dias

Chamem o fim do mundo

Anónimo Há 2 dias

Cá para mim, estás é com vontade de voltar a ferrar o cão à SS e abafar mais uns trocos na tecnoforma.

Anónimo Há 2 dias

Mas as histórias complicadas vão voltar e não tarda um ano|

Anónimo Há 2 dias

Alguem disse q a divida repartida pelos portugueses dava 24 mil euros a cada 1.Rui Rio hoje vem com outros numeros de nos deixar de boca aberta:5o mil euros q toca a cada portugues,2 vezes o primeiro numero com mais uns trocos em cima.em 42anos criar 1 divida deste tamanho mais aquel q Salazar deixo

pub