Política Passos: "Um candidato à liderança do PSD é sempre um candidato a primeiro-ministro"

Passos: "Um candidato à liderança do PSD é sempre um candidato a primeiro-ministro"

Passos Coelho vai recandidatar-se à liderança do PSD, o que significa que depois de ter sido primeiro-ministro está disposto a liderar a oposição. Com um objectivo: voltar a ser primeiro-ministro.
Passos: "Um candidato à liderança do PSD é sempre um candidato a primeiro-ministro"
Manuel Esteves 04 de fevereiro de 2016 às 18:00

Pedro Passos Coelho anuncia oficialmente esta quinta-feira, 4 de Fevereiro, às 21h aquilo que já se sabe: o actual líder do PSD vai recandidatar-se à presidência do partido, seis anos depois de se ter tornado presidente do partido. À excepção de Mário Soares, é a primeira vez que um ex-primeiro-ministro se mantém como líder da oposição. Ou seja, como o próprio reconhece é de novo candidato a primeiro-ministro. "Não estou ansioso por ir a eleições, mas estou preparado para voltar a ser primeiro-ministro. Um candidato ao PSD é sempre um candidato a primeiro-ministro", afirmou num encontro informal com jornalistas, esta quinta-feira.

Passos Coelho não esconde o peso do fardo que carrega aos ombros por ter liderado o anterior governo e a agenda de austeridade que adoptou no âmbito do programa de ajustamento da troika, mas prefere sublinhar as vantagens mais do que os inconvenientes. "A [minha] imagem ligada à austeridade resultou das circunstâncias e pode estar associada à determinação com que liderei o país". O ex-primeiro-ministro orgulha-se de ter "dado a cara por essas medidas", difíceis, "sem cálculos pessoais". "Tivemos que fazer o que tinha que ser feito".

Quanto à alegada reaproximação do PSD à social-democracia, que ganhou força mediática nos últimos dias, prefere desvalorizá-la, insistindo que essa sempre foi a linha do partido e a sua. "Mesmo nas medidas de austeridade que adoptámos", defende, "fomos sempre social-democratas". Por isso, Passos Coelho nega que o maior pendor que quer dar à matriz social-democrata do partido – por oposição à postura mais liberal da sua governação durante o período de ajustamento e às ideias que defendeu quando se candidatou pela primeira vez à liderança do partido – não constitui nenhuma mudança estrutural. "Fomos, somos e continuaremos a ser social-democratas", insistiu, garantindo que não fará "mudanças artificiais ao sabor do vento".

Aquele que é agora o líder da oposição garantiu que tenciona fazer "uma oposição construtiva", sem ceder à "visão do bota-abaixo. "Apresentaremos propostas para o combate às desigualdades sociais, o problema demográfico; queremos um país mais atractivo, mais tecnológico, mais inovador, com menos desigualdades e com mais justiça social", disse, sem, contudo, entrar em detalhes. 

 

Pedro Passos Coelho mostrou-se ainda preocupado com os desenvolvimentos políticos registados na Europa, designadamente no que toca ao aumento dos nacionalismos e da tentação de encerramentos de fronteiras entre países. E concluiu: "se a estratégia populista e radical que se está a instalar em alguns países europeus for bem sucedida, Portugal será dos primeiros a ser prejudicado".

 

As eleições directas no PSD realizam-se dentro de um mês, a 5 de Março, estando o congresso social-democrata marcado para os dias 1,2 e 3 de Abril. 


A sua opinião36
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado SÍTIOMANHOSO 04.02.2016


Só que deveria ser uma pessoa digna, séria - o que não é o caso - e que nunca tivesse passado pela Tecnoforma, não se furtasse aos impostos para a Segurança Social, não fosse aldrabão (a criança ainda deve estar traumatizada...a da campanha eleitoral; que não tivesse roubado quem trabalha ou trabalhou; que não roubasse os diabéticos e doentes; etc, etc.

Mais haveria a dizer - a TV Pública, deveria ser obrigada a passar todos os vídeos do YOUTUBE - pelo menos e assim se recordaria o que quem se diz SOCIAL- DEMOCRATA, não fala verdade mais uma vez e que não deixa SÁ CARNEIRO, descansar em PAZ !!!

É que entre um GATUNO e um HOMEM DE ESTADO, vai uma diferença indescritível...

Portanto, coloquem no PPD uma pessoa séria, honesta...porque também os têm...falta saber se aceitam depois de terem transformado o PPD no que se vê...a esquerda agradece !!!

comentários mais recentes
Desanimado 06.02.2016

Outra vez? É pá já chega, é que ninguém te quer. Nós sabemos pelo teu passado que não sabes fazer mais nada, mas olha emigra e não sejas piegas!

Francisco António 05.02.2016

Ilustre ex-PM ! Quando, por maldade, ignorância ou incompetência foi aos bolsos dos pensionistas (de direita ou de esquerda) o camarada Passos Coelho comprou uma guerra sem fim à vista. É altura de procurar outra ocupação ! É a vida !!!

Francisco António 05.02.2016

Ilustre ex-PM ! Quando, por maldade, ignorância ou incompetência foi aos bolsos dos pensionistas (de direita ou de esquerda) o camarada Passos Coelho comprou uma guerra sem fim à vista. É altura de procurar outra ocupação ! É a vida !!!

Francisco António 05.02.2016

Ilustre ex-PM ! Quando, por maldade, ignorância ou incompetência foi aos bolsos dos pensionistas (de direita ou de esquerda) o camarada Passos Coelho comprou uma guerra sem fim à vista. É altura de procurar outra ocupação ! É a vida !!!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub