Eleições Passos Coelho reconhece que não é "noite de festa" para o PSD

Passos Coelho reconhece que não é "noite de festa" para o PSD

O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, reconheceu que para o seu partido hoje não é uma "noite de festa eleitoral", depois de o PS ter voltado a conquistar maioria absoluta nas eleições regionais dos Açores.
Passos Coelho reconhece que não é "noite de festa" para o PSD
Lusa 17 de outubro de 2016 às 00:41
"Lamento que hoje não seja para o PSD uma noite de festa eleitoral", afirmou Pedro Passos Coelho, numa declaração aos jornalistas na sede nacional dos sociais-democratas, em Lisboa.

Segundo os resultados totais provisórios, o PS conquistou hoje nova maioria absoluta nas eleições regionais dos Açores, ao conseguir eleger 30 deputados do total de 57 parlamentares da Assembleia Legislativa Regional. O PSD conquistou 19 deputados, o CDS-PP quatro, o BE dois e o PCP-PEV e o PPM um deputado cada.

Nas últimas eleições, em 2012, o PSD tinha conquistado 20 deputados.

Numa declaração sem direito a perguntas, o líder do PSD admitiu que os açorianos "escolheram a continuidade" e cumprimentou o PS, quer em termos nacionais, quer em termos regionais.

Ao líder regional do PSD/Açores, Passos Coelho deixou igualmente um cumprimento, sublinhando que, apesar dos resultados, Duarte Freitas "mostrou uma grande capacidade para poder comunicar nos Açores a posição do PSD e a sua vontade de mudar".

"Mas, democraticamente devemos reconhecer que essa não foi a vontade expressa dos açorianos", acrescentou Passos Coelho, assegurando que, de qualquer forma, o PSD/Açores continuará a lutar por uma região com "mais desenvolvimento económico, com mais emprego, com mais bem-estar", porque é preciso "ter os olhos postos no futuro".

"O PSD continua a ser um grande partido de implantação regional, que acredita na autonomia regional e que, com certeza, se irá bater todos os dias pela melhoria das condições de vida dos açorianos e por um futuro melhor para os Açores", vincou.

Passos Coelho deixou ainda uma nota sobre a "abstenção muito elevada" (59,1%), considerando que "é uma abstenção que responsabiliza todos, quem ganha e quem perde".

O resultado alcançado esta noite pelo PSD nos Açores foi o segundo pior desde 1976, ano em que os Açores passaram a ser uma região autónoma com órgãos de governo próprios.

Em 1976 venceu o PSD, liderado por Mota Amaral, que se manteve no poder durante 19 anos, até 1995. Seguiu-se-lhe Madruga da Costa (um ano).

Em 1996, o socialista Carlos César ganhou as eleições, vitória que repetiu em 2000, 2004 e 2008.

Foi em 2008 que o PSD obteve o pior resultado, com 30,27% dos votos, elegendo 18 deputados.

Em 2012, outro socialista, Vasco Cordeiro, manteve a região sob liderança do PS e igualou os anos no poder do PSD.

Nessas eleições, o PS conquistou 31 dos 57 lugares e o PSD 20. O CDS-PP garantiu três deputados e BE, PCP e PPM um mandato cada.

Duarte Freitas assume derrota mas sem demissão

O líder do PSD/Açores assumiu a derrota eleitoral, num sufrágio em que o PS voltou a obter maioria absoluta, destacando que o PSD irá continuar a defender os seus ideais no parlamento e na sociedade.

"Em democracia quem elege mais deputados vence. O PS foi o partido mais votado no ato eleitoral e é o partido vencedor destas eleições", disse Duarte Freitas, na sede do PSD/Açores em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, numa declaração sem direito a perguntas dos jornalistas proferida às 21:20 locais (mais uma hora em Lisboa).

Na sua declaração, Duarte Freitas nunca se referiu a uma eventual demissão da liderança do partido e durante a campanha eleitoral referiu sempre que qualquer que fosse o resultado do sufrágio, não se afastaria do cargo.

O PSD, o maior partido na oposição no arquipélago, conquistou 19 dos 57 mandatos para o parlamento regional, quando no sufrágio de 2012 elegeu 20 deputados.

Duarte Freitas, que disse já ter falado telefonicamente com o líder do PS/Açores, Vasco Cordeiro, referiu que "hoje a palavra é daqueles que votaram", acrescentando que o PSD estará no parlamento, no partido, na sociedade civil e ilha a ilha a "defender uma plataforma política e social que combata o desemprego e melhore a educação e a saúde".

"Agora vamos continuar a lutar na Assembleia, no partido e na sociedade civil. Apresentaremos sempre propostas que melhorem qualidade de vida dos açorianos", salientou o eleito pelo círculo de São Miguel, que saudou a eleição dos 57 deputados de todos os partidos.

Duarte Freitas, 50 anos e natural da ilha do Pico, é o sétimo líder do PSD/Açores em 40 anos de autonomia, tendo sido eleito em Dezembro de 2012, com 92,6%, depois da demissão da ex-líder Berta Cabral, que perdeu as eleições legislativas regionais de 2012 para o PS.

Em Setembro, o candidato do PSD a presidente do Governo dos Açores disse, em entrevista à agência Lusa, que a questão da sua demissão não se colocava se perdesse as eleições regionais, nas quais concorre por São Miguel.

"Isso é uma questão que não se coloca. Em primeiro lugar, porque eu, desde o primeiro momento, disse que em 2016, ganhando ou perdendo as eleições, continuaria candidato a presidente do PSD/Açores", afirmou Duarte Freitas na ocasião.



A sua opinião24
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 17.10.2016


Por favor deixe governar quem sabe, o sr, já disse que não tem que ter, ou apresentar alternativas ao orçamento 2017, como tal cale-se e desapareça...

porque os portugueses QUE QUEREM VIVER À CUSTA DOS OUTROS, não gostam de si.

comentários mais recentes
Ant Almeida 17.10.2016

Zombie

Desaparece esterco mentiroso 17.10.2016

Arranja outro esquema tecnoformico seu pulha.

Ana Fernandes 17.10.2016

....ainda não percebeu que as pessoas estão fartas dele....cansaram-se dos despeitosa, discursos e da figura triste de ressabiado

André Montenegro 17.10.2016

Este ressabiado ainda não percebeu, que ninguém quer saber do que ele diz!

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub