Orçamento do Estado Passos espera que Governo não insista no "irrealismo" no Orçamento de 2017

Passos espera que Governo não insista no "irrealismo" no Orçamento de 2017

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, disse esperar que o Governo tenha "aprendido a lição deste ano", sobre o menor crescimento da economia do que previra, e que, no Orçamento de 2017, não insista no "irrealismo".
Passos espera que Governo não insista no "irrealismo" no Orçamento de 2017
Lusa 07 de Outubro de 2016 às 19:26

"Espero que o Governo aprenda com esta lição deste ano e no cenário macroeconómico que vai apresentar estabeleça metas que possam ser mais realistas e consentâneas com as previsões da generalidade das instituições que se pronunciam sobre a matéria", afirmou o líder social-democrata, esta sexta-feira, em declarações aos jornalistas.

 

Falando em Felgueiras, onde hoje visitou uma empresa de produção de calçado, Passos comentava os dados revelados hoje pelo Banco de Portugal que apontam para as previsões de crescimento da economia, este ano, de 1,1%, abaixo dos 1,3% previstos em Junho e dos 1,6% registados no conjunto de 2015.

 

"É apenas mais um dado que aponta no mesmo sentido de outros que têm vindo a ser divulgados. A perspectiva de um crescimento muito modesto este ano é praticamente uma certeza admitida muito tardiamente pelo Governo e até pelo primeiro-ministro", comentou.

 

O ex-primeiro ministro recordou que o PSD tinha chamado a atenção "para essa forte possibilidade desde início", por entender que "as previsões do Governo eram muito exageradas e isso não ajuda depois a fazer planos que corram bem". "Nessa altura, muitas instituições disseram que havia previsões demasiado optimistas", acrescentou.

 

O presidente do PSD insistiu ser importante que o Governo, que está a ultimar a proposta de lei do Orçamento para 2017, "não insista no mesmo irrealismo". "Não devemos ser tão imprudentes, quando tudo à nossa volta parece não indicar um caminho de grande optimismo e nos ponhamos aqui a fixar metas que, à partida, não serão alcançadas", concluiu.




A sua opinião36
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Desanimado Há 3 semanas

Ah, ah,ah,ah,ah,ah,ah,ah...continua passos, que um palerma na oposição faz bastante falta à estabilidade governativa.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas



Por favor deixe governar quem sabe, o sr, já disse que não tem que ter, ou apresentar alternativas ao orçamento 2017, como tal cale-se e desapareça...

porque os portugueses QUE QUEREM VIVER À CUSTA DOS OUTROS, não gostam de si.




Mário Rodrigues Há 3 semanas

A política portuguesa está cheia de palhaços, já não os posso ouvir e ver, mas da direita á esquerda não sei se há algum que escape.

Mario Dias Há 3 semanas

é mesmo triste este gajo. Mal sabe ele que há reuniões para que seja corrido da liderança~do PPD

Levavas tanta porrada seu FDP Há 3 semanas

Ainda anda aqui gentinha que apoia este animal. Um Esgaio diz que lhe devemos muito. Não digas isso ao meu lado que vais ganir pá.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub