Passos garante que subsídio de férias em 2014 será pago na data habitual
20 Junho 2013, 17:02 por Lusa
Enviar por email
Reportar erro
O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, disse hoje, em Viena, que o modelo de pagamento do subsídio de férias dos funcionários públicos e pensionistas vigorará apenas este ano, de "forma excepcional".

O modelo de pagamento do subsídio de férias para 2013 dos funcionários públicos e pensionistas "não se vai manter para o próximo ano", disse o primeiro-ministro, em resposta aos jornalistas, à margem da reunião do Partido Popular Europeu (PPE), a maior família política europeia.

 

Pedro Passos Coelho afirmou que a forma de pagamento vigorará este ano, "de forma excepcional, porque o Orçamento [do Estado] teve de ser alterado em função da decisão do Tribunal Constitucional".

 

O primeiro-ministro disse ainda que, em 2014, o "problema não se põe", pelo que os subsídios "serão pagos dentro das datas normais que são pagas a toda a gente".

 

Passos Coelho falava aos jornalistas depois de, na quarta-feira, o Presidente da República ter promulgado a proposta de lei que regula a reposição do subsídio de férias para 2013 dos funcionários públicos e pensionistas.

 

O diploma estabelece o pagamento dos subsídios de férias em Novembro aos funcionários, reformados e pensionistas do sector público que recebem vencimentos acima dos 1100 euros.

 

Abaixo dos 600 euros de salário mensal, os subsídios serão pagos em Junho e entre os dois valores, uma parte é paga em Junho e a restante em Novembro, segundo a proposta de lei, cujo histórico publicado no 'site' do Parlamento indica ter sido enviada hoje para Belém.

 

Hoje, o primeiro-ministro afirmou ficar "espantado" com o facto de se estar a fazer "uma polémica à volta da questão dos subsídios", acrescentando que "a proximidade de eleições deve ter, com certeza, alguma coisa a explicar em função desta demagogia que está a ser feita".

 

Passos Coelho disse ainda que o Presidente da República, Cavaco Silva, "deu prioridade" ao tema, o que considerou ser "positivo".

 

O Governo foi obrigado a repor o pagamento dos subsídios de férias deste ano, na sequência da declaração de inconstitucionalidade da sua suspensão prevista no Orçamento do Estado para 2013.

Enviar por email
Reportar erro
Saber Mais
alertasPor palavra-chave: