Política Passos pede "explicações cabais" sobre recapitalização da CGD

Passos pede "explicações cabais" sobre recapitalização da CGD

O presidente do PSD disse hoje, em Santarém, que o Governo tem que dar "explicações cabais" ao país sobre o que consta nos planos de recapitalização e de reestruturação da Caixa Geral de Depósitos (CGD).
Passos pede "explicações cabais" sobre recapitalização da CGD
Lusa 23 de Outubro de 2016 às 20:06

Pedro Passos Coelho, que hoje visitou o Festival Nacional de Gastronomia, que decorre na Casa do Campino, em Santarém, até dia 1 de Novembro, reagia a uma carta do presidente da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues, publicada na imprensa.

 

Na missiva, António Domingues acusa o líder do PSD de faltar à verdade, afirmando que nunca teve acesso a informação privilegiada antes de assumir a presidência da CGD.

 

Para o líder social-democrata, perante esta afirmação, "explicações cabais vão mesmo ter de ser dadas ao país".

 

"Depois daquilo que veio a público, ou o plano de recapitalização não teve informação adequada e é uma mistificação política, e então o presidente da Caixa perdeu uma boa oportunidade para estar calado, ou então teve acesso a informação e não está a desmentir o que eu disse. Nesse caso é preciso começar a responder perante o parlamento e perante os portugueses sobre o que é que se passou, o que é que consta desse plano de recapitalização e do plano de reestruturação da Caixa", declarou.

 

Sublinhando que o actual presidente da CGD já negociou antes planos de recapitalização de um banco com a Direcção-Geral da Concorrência, Passos Coelho afirmou que essa negociação exige informação para além do balanço e dos dados que são públicos.

 

"Se é para andar a atirar areia para a cara das pessoas, não valia a pena estar a pagar aos novos administradores o dobro do que pagavam aos anteriores. É um mau começo", disse, sublinhando que não é possível negociar um "plano de recapitalização sem pelo menos deter informação sobre a carteira de clientes e a carteira de 'trading' de um banco".

 

O social-democrata pediu "seriedade" quando se está a "falar de muito dinheiro público, dos contribuintes portugueses, que vai ser afecto à recapitalização" da CGD.

 

No seu entender, ou o plano que foi negociado em Bruxelas com base no trabalho do actual presidente da CGD não teve acesso à informação adequada - "e nesse caso significa que é uma mistificação política" e outro terá de ser feito -, "ou então foi feito e é fundamental explicar que tipo de informação é que foi usada, ou não, e de que maneira é que foi feito esse plano de recapitalização".

 

Para Passos Coelho, depois da carta de António Domingues hoje publicada, é preciso responder no parlamento "sobre o que é que se passou, o que é que consta desse plano de recapitalização e do plano de reestruturação da Caixa".

 

O líder social-democrata reafirmou o seu entendimento de que todo o processo da CGD foi "mal conduzido desde o início" e "constituiria um manual de más práticas", pedindo que seja explicado "muito bem o que se vai fazer" antes de ser injectado dinheiro público no banco.

 

"Se já negociaram tudo, se têm um plano, qual é o problema, porque não respondem [ao parlamento]? Devem responder, com transparência", declarou.

 

O dirigente notou os "danos que já foram observados, nomeadamente em outros bancos, por notícias que não são desmentidas" e que no seu entender "continuam a apontar para uma sobrecapitalização" da CGD.




A sua opinião21
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado vascoapolinario.abreu Há 1 semana

Passos, com a geringonça não há que ter meias medidas... A geringonça não merece perdão! É preciso muita garra e determinação ou seremos a venezuela da europa! Força contra eles!... O povo está contigo! Os ladrões não podem tomar conta disto tudo... A esquerda está esfomeada... A esquerda está em desespero: a esquerda perdeu eleições e sabe que o povo sabe disso!

A geringonça está presa pelos ditos... Aprovará o orçamento porque não tem outra saída: de outro modo, o rating da dívida portuguesa desce, bruxelas aplica sanções, o governo desfaz-se, vem um resgate... Seria de facto o diabo na pior versão possível...
Por isso, a geringonça, o catavento e todos os portugueses, os culpados e os sem culpa, engolem tudo!

É a vida!

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana


Por favor deixe governar quem sabe, cale-se e desapareça...

porque os portugueses QUE QUEREM VIVER À CUSTA DOS OUTROS, não gostam de si.

Anónimo Há 1 semana

Com meu voto não mamas mais,falhastes em tudo,vou votar na geringonça ,que é gente séria e controlada por a geringonça.

Eduardo Nuno Barros Mascarenhas Há 1 semana

5000 mil milhões....salários milionários logo a entrar....penso que é do interesse de todos perceber o que se vai fazer com o dinheiro como e porquÊ

Tiago Marques Há 1 semana

Parece que é o único preocupado em saber porque é que se vão gastar 5 000 milhões dos nossos. Anda tudo a dormir?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub