Política Passos: "Tenho a obrigação de representar os que se sentem ameaçados por este Governo"

Passos: "Tenho a obrigação de representar os que se sentem ameaçados por este Governo"

"Não governei a olhar para as sondagens e não estou na oposição a olhar para as sondagens", disse o líder do PSD, que diz ter a "obrigação moral" de representar os que votaram em si nas legislativas de 2015,  
Passos: "Tenho a obrigação de representar os que se sentem ameaçados por este Governo"
Lusa 04 de Outubro de 2016 às 21:30

O líder do PSD justificou hoje a sua permanência na liderança do partido pela "obrigação moral" de representar os que votaram em si nas legislativas de 2015, dizendo acreditar ter condições para voltar a ser primeiro-ministro.

 

"Sinto que tenho moralmente a obrigação de representar os que votaram em mim e não se sentem representados neste Governo e até se sentem ameaçados por este Governo", afirmou Passos Coelho, em entrevista à SIC, lembrando que nas legislativas de há um ano se verificou uma circunstância inédita -- o partido que venceu as eleições não estar a governar.

 

Questionado sobre se acredita ter condições de voltar a ser primeiro-ministro, Passos Coelho respondeu afirmativamente: "Não só há condições, como acho que é necessário para o país ter uma alternativa séria".

 

"Não governei a olhar para as sondagens e não estou na oposição a olhar para as sondagens, esse é o perfil do Governo, não é o meu perfil", declarou, garantindo que sairá da liderança do PSD "no dia em que achar" que está a mais.

Sobre as eleições autárquicas do próximo ano, Passos Coelho reiterou que o PSD está dentro dos prazos que aprovou para a apresentação de candidatos - "até final do ano para um primeiro lote de candidaturas e até Março/Abril para fechar este processo" - e desvalorizou não ter sido informado da escolha de José Eduardo Martins, um crítico da sua liderança, para coordenar o programa eleitoral autárquico para Lisboa. "Não tenho que ser consultado sobre essa matéria, Deus me livre de me estar a pronunciar sobre matérias como essas pelo país inteiro", disse.

 

Em matéria económica, o líder do PSD repetiu as críticas ao modelo do actual Governo liderando por António Costa, apontando indicadores como os do crescimento, investimento ou exportações. "Para mim é muito claro que o tempo que estamos a viver é um tempo que está a ser desperdiçado", disse, considerando que o modelo económico do executivo socialista "está a revelar o seu falhanço".

 

Dizendo não querer "sequer acreditar" que a questão de um novo resgate se venha a colocar, Passos Coelho considerou que só a possibilidade de esse tema ser falado externamente "é um susto" e não deveria ser ignorada pelas autoridades portuguesas.

 

Sem nunca dizer se acredita ou não no cumprimento das metas do défice, Passos Coelho apontou um desvio de 1.300 milhões de euros na receita até Agosto, "quase 0,7% do PIB" em relação ao previsto. "O Governo está a empurrar com a barriga a actividade normal do Estado, o Estado pode decidir não gastar mas não pode decidir não gastar eternamente", alertou.

 

Questionado sobre o Orçamento do Estado para o próximo ano, que deverá ser entregue no parlamento a 14 de Outubro, o líder do PSD voltou a dizer que a responsabilidade desse documento é do Governo e considerou que, se a opção for a de elevar a carga fiscal indirecta, será "um mau caminho", salientando que este foi o caminho do anterior Executivo socialista, liderado por José Sócrates. "Nessa altura estava o Governo exactamente como está hoje, a aumentar impostos aflito para cumprir as metas do défice", disse.

 

Questionado sobre o que distingue a opção do actual Governo do executivo PSD/CDS, que também aumentou impostos, Passos Coelho apontou a situação de "emergência nacional". "A grande diferença é que nós na altura não tínhamos um tostão, agora parece que temos, só ouço falar em aumentos, restituições, parece que nos saiu o totoloto ou herdámos de um familiar abastado", criticou.

 

Apesar das muitas críticas ao Governo apoiado no parlamento por BE, PCP e PEV, o líder do PSD considerou normal o apoio que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, tem dado ao executivo de António Costa.

 

"O Presidente da República creio que tem actuado bem, tem procurado criar um clima de cooperação e apoio ao Governo (...) Nesta altura é muito importante que o Presidente possa dar sinais claros de apoio ao Governo", defendeu.




A sua opinião172
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado AVerVamos Há 3 semanas

De facto este país vive continuadamente debaixo de uma crise de valores, responsabilidade e isenção. Vamos recordar em FAST FORWARD!!
Um elemento do PS que hoje se encontra em investigação (situação que para o caso não é chamada), e que escuso pronunciar o nome, lançou este país, e a vida de milhares de Portugueses na MISÉRIA!! Em pouco mais de 4 anos, repito QUATRO ANOS, DUPLICOU a DIVIDA do país, consequentemente a divida de todos os contribuintes!!
Após anos de negação, ainda existem uns resistentes, ou parolos, ou fanáticos, ou interessados, que ou negam este HOLOCAUSTO, ou assobiam para o lado e fingem não ser nada com eles.
Goste-se ou não se goste, concorde-se ou não se concorde. Na realidade foi este Sr. que começou a inverter a trajectória da dita "ESPIRAL RECESSIVA" e governou sob as condições que governou, a troco de uns Euros para haver salários, e comida!!
Convêm também recordar, que estes PALHAÇOS que agora tomaram o poder com esquemas de secretaria, já COLOCARAM o país 3 VEZES na BANCARROTA!!! E veremos se não vamos para uma 4ª. Pois das DUAS, UMA. Ou AFUNDAM ainda mais o país, ou vão cobrar impostos até sobre o ar que respiramos para financiar os luxos deles, e dos palhaços que como eles PARASITAM o país.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas



Por favor deixe governar quem sabe, o sr, já disse que não tem que ter, ou apresentar alternativas ao orçamento 2017, como tal cale-se e desapareça...

porque os portugueses QUE QUEREM VIVER À CUSTA DOS OUTROS, não gostam de si.



Ku do comuna Há 3 semanas

Soltaram a manada comuna, o passos foi escolhido por 40% dos eleitores para PM. Força PASSOS

Este individuo é um caso de estudo psicologico,ao Há 3 semanas

assumir querer defender (diz ele) os "que se sentem ameaçados" está de uma assentada, querer lavar a porcaria que fez e mostrar-se agora como defensor daqueles que ele próprio desgraçou. Comportamento é típico daqueles que na vida diária espezinham tudo e todos sem qualquer tipo de arrependimento.

Desanimado Há 3 semanas

São estes que representa passos e que se sentem ameaçados por este governo:

http://www.jornaldenegocios.pt/opiniao/visto_por_dentro/elisabete_miranda/detalhe/as_1000_familias_que_mandam_nisto_tudo_e_nao_pagam_impostos.html

http://www.jornaldenegocios.pt/opiniao/visto_por_dentro/elisabete_miranda/detalhe/os_ricos_que_mandam_nisto_tudo_e_nao_pagam_impostos___parte_ii.html

ver mais comentários
pub