Política Patriarca de Lisboa admirado com resultados da geringonça

Patriarca de Lisboa admirado com resultados da geringonça

Em entrevista à Renascença, D. Manuel Clemente elogia a diminuição do défice e do desemprego, assim como o ambiente de menor crispação que "ajuda a resolver os problemas de outra maneira".
Patriarca de Lisboa admirado com resultados da geringonça
Negócios 10 de abril de 2017 às 10:25

O Governo liderado pelo PS e apoiado pelos restantes partidos da esquerda no Parlamento está a ter um comportamento "positivamente surpreendente". Quem o confessa é o Patriarca de Lisboa, que destaca "alguns sinais de recuperação económica", ainda que lembre que tem de haver "sustentabilidade" neste processo.

 

"Baixar o desemprego é bom; diminuir a tensão social, a crispação, é bom; haver resultados – uns são de agora, outros foram preparados antes – no campo do ensino, é bom; haver óptimas perspectivas para actividades como o turismo, é bom. Há aqui coisas boas, há alguns sinais de recuperação económica", resumiu D. Manuel Clemente, nomeado em Maio de 2013.

 

Em entrevista à Renascença, o antigo bispo do Porto sublinhou também o clima de menor crispação no país, que "ajuda a resolver os problemas de outra maneira". "Oxalá que esta descrispação [sic] também funcione quando há debates parlamentares ou outros, que as pessoas também se ouçam com mais calma. Há muitas coisas ainda por responder, ainda complicadas e graves", acrescentou.

 

O patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, foi investido cardeal a 15 de Fevereiro de 2015 numa cerimónia na Basílica de São Pedro, no Vaticano, presidida pelo Papa Francisco. Desde então passou a colaborar mais directamente com o Papa e também poderá participar em futuras escolhas do líder da Igreja Católica.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado TinyTino Há 2 semanas

Num estado laico um líder religioso deve abster-se de tecer comentários sobre a vida política. Porque não segue o exemplo de Jesus? "A César o que é de César. O meu reino não é deste mundo"

comentários mais recentes
Albano Garrdo Há 2 semanas

Esta geringonça é muito melhor que um BENTLEY pintado de côr alaranjado.

Rodrigues Há 2 semanas

A política dos defensores dos ricos foi condenar os mais pobres a mais pobreza. É isso que fazem PSD e CDS. Este governo, sem mudar muito, porque é impossível neste país de miséria, deu uma ajuda aos mais pobres. O alvo foi diferente. Bye bye Passos, o teu tempo já foi. Não se cresce na miséria.

TinyTino Há 2 semanas

Num estado laico um líder religioso deve abster-se de tecer comentários sobre a vida política. Porque não segue o exemplo de Jesus? "A César o que é de César. O meu reino não é deste mundo"

Anónimo Há 2 semanas

Negocios igreja estado .... Como hoje alguém lembra em março de 2016 apareceu um Deus a superior :

"António Costa também sabe que as famosas “restituições de privilégios” foram possíveis por causa da compra de dívida pelo Banco Central Europeu. Não é mérito do seu governo, não resulta de políticas públicas, nem da criação de mais riqueza. É fruto do contexto favorável da zona Euro. O governo culpa o antigo governo pela austeridade e quer convencer os portugueses que a vida voltou ao normal pré-2011. Sabe muito bem que nada disto é verdade. Serve apenas para ganhar popularidade e, se possível, eleições antecipadas. A geringonça não passa de uma coligação de populismos que gere o tempo, manipula a comunicação e anestesia os portugueses. Mas a anestesia é uma falsa segurança.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub