Empresas Patrões do Norte exigem accionistas “verdadeiramente estratégicos” para o Novo Banco

Patrões do Norte exigem accionistas “verdadeiramente estratégicos” para o Novo Banco

A Associação Empresarial de Portugal (AEP) manifesta “preocupação pela indeterminação” que rodeia o futuro do Novo Banco, instando o Governo a firmar “uma solução que promova accionistas verdadeiramente estratégicos, em detrimento de uma solução de curto prazo”.
Patrões do Norte exigem accionistas “verdadeiramente estratégicos” para o Novo Banco
Patrões do Norte manifestam "preocupação pela indeterminação" que rodeia o futuro do Novo Banco.
Rui Neves 13 de janeiro de 2017 às 13:53

Os patrões do Norte manifestam "preocupação pela indeterminação que rodeia o importante processo de alienação do Novo Banco, num contexto que se caracteriza por diversas incertezas e problemas do sistema financeiro português", sublinha a Associação Empresarial de Portugal (AEP), em comunicado enviado às redacções.

Assinado pelo seu presidente, Paulo Nunes de Almeida, a associação sediada no Porto realça, ainda, "a preocupação relativa à decisão que irá ser tomada", entendendo a AEP que "deverá ser privilegiada uma solução que promova accionistas verdadeiramente estratégicos, com a inerente estabilidade de médio e longo prazo".

Isto "em detrimento de uma solução de curto prazo, a qual poderia trazer efeitos profundamente nefastos ao nível do financiamento da actividade económica, em particular do tecido empresarial, domínio em que o Novo Banco tem presença com algum relevo", nota a mesma organização empresarial.

"No quadro do necessário e urgente relançamento do investimento empresarial e do incontornável apoio à internacionalização das empresas", defende a AEP, "importa assegurar que a decisão que vier a ser tomada não coloque em causa o que foi uma das razões invocadas para a aplicação da medida de resolução, deliberada pelo Banco de Portugal em 3 de Agosto de 2014", a qual enfatiza "a relevância da instituição no conjunto do sistema bancário e no financiamento da economia".

"Os grandes motores do crescimento económico – investimento e exportações –, onde o protagonismo das empresas é evidente, exigem uma resposta adequada ao nível do seu financiamento, assegurado, em grande parte, pelo sistema financeiro", conclui a associação liderada por Nunes de Almeida. 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 13.01.2017

A melhor solução era, colocar muita malta amiga como administradores. Apresentem a fatura que o Contribuinte paga!

Anónimo 13.01.2017

Se houvesse justiça em Portugal tudo estaria melhor. Chegou a hora de investigar todos quantos tiveram cargos executivos e seus familiares directos. Tudo o que não coincidisse com a declaração de rendimentos auferidos durante todos os anos de trabalho, revertiriam a favor do estado.

Anónimo 13.01.2017

Os empresários estão fartos de trabalhar para a chulice da "girigonça e FP", ladrões44, Xuxalismo, comunismo, etc.

Anónimo 13.01.2017

Aqui vai: Sócrates, Vara, Teixeira, Coelhone, A. S. Silva, etc.

ver mais comentários
pub