Orçamento do Estado Patrões do Norte criticam "peso da carga fiscal" no OE 2017

Patrões do Norte criticam "peso da carga fiscal" no OE 2017

O nível dos impostos face ao PIB é uma "ameaça" ao crescimento da economia, dramatiza o presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP), que faz o elogio a três medidas do Orçamento.
Patrões do Norte criticam "peso da carga fiscal" no OE 2017
António Larguesa 17 de Outubro de 2016 às 16:13

Um "louvável esforço de consolidação orçamental", mas "contraditório com outros aspectos das opções governamentais" incluídas na proposta de Orçamento do Estado para 2017. É assim que a Associação Empresarial de Portugal (AEP) reage à apresentação do diploma orçamental, apontando o dedo à "manutenção do elevado peso da carga fiscal no PIB".

 

A estrutura liderada por Paulo Nunes de Almeida sustenta que o peso de 36,6% em relação ao PIB, três pontos acima do valor registado no pré-troika, em 2010, "ameaça" a actividade económica. "Contrariando as necessidades da economia e do país, a não inversão do peso da carga fiscal penaliza, em muito, as condições de crescimento, nomeadamente a evolução do investimento e das exportações de bens e serviços", detalha.

 

Se é na evolução mais favorável do investimento e das exportações que o Governo coloca as fichas para projectar o cenário macroeconómico, para a AEP "fica inequivocamente demonstrada a importância" das empresas – investem, criam emprego, exportam –, sem as quais o país "dificilmente conseguirá alcançar as metas de crescimento económico e de consolidação orçamental".

 

Entre os elogios vertidos num documento enviado às redacções está "a introdução de algumas alterações ao nível dos benefícios fiscais, pelos efeitos que podem vir a provocar no investimento e na capitalização das empresas, e do pagamento do IVA devido pelas importações de bens". A associação patronal nortenha valoriza ainda a mexida nos processos de execução fiscal, "nomeadamente no que toca à caducidade da garantia por decisão favorável do garantido em primeira instância".

Os contribuintes que, num conflito com o Fisco sobre o imposto a pagar, avançaram com uma impugnação em tribunal, vão ter mais razões para celebrar uma vitória que consigam obter logo na primeira instância. Isso porque, a partir do próximo ano e de acordo com a proposta do OE 2017, as garantias prestadas para suspender os processos de execução fiscal caducam. Ou seja, na prática, podem ser retiradas. Mesmo que o Fisco recorra para os tribunais superiores, o que acontece praticamente em todas as vezes, o contribuinte deixa de ter de suportar o custo com a garantia.

 
Paulo Nunes de Almeida conclui que "só com políticas públicas que favoreçam a realização do investimento, nacional e estrangeiro, e o fomento das exportações de bens e serviços será possível inverter a trajetória de divergência real da economia portuguesa face à média da área do euro, que parece estar novamente a desenhar-se."




A sua opinião30
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A MALTA DA PAFAS Há 2 semanas

TEM SAUDADES DO TEMPO EM QUE ARRUINOU A SEGURANÇA SOCIAL, EMPREGANDO 80% DO DINHEIRO PAGO NA COMPRA DE DÍVIDA PÚBLICA- ARRUINARAM A SEG SOCIAL E CULPARAM QUEM DESVONTA, BRINDANDO-LHES COM AUMENTOS BRUTAIS.

TAMBÉM TEM SAUDADES DOS MILHÕES DADOS DE MÃO BEIJADA ÀS ESCOLAS PRIVADAS

A MALTA DA PAFAS Há 2 semanas

TEM SAUDADES DO TEMPO EM QUE ARRUINOU A SEGURANÇA SOCIAL, EMPREGANDO 80% DO DINHEIRO PAGO NA COMPRA DE DÍVIDA PÚBLICA- ARRUINARAM A SEG SOCIAL E CULPARAM QUEM DESVONTA, BRINDANDO-LHES COM AUMENTOS BRUTAIS.

TAMBÉM TEM SAUDADES DOS MILHÕES DADOS DE MÃO BEIJADA ÀS ESCOLAS PRIVADAS

A MALTA DA PAFAS Há 2 semanas

TEM SAUDADES DO TEMPO EM QUE ARRUINOU A SEGURANÇA SOCIAL, EMPREGANDO 80% DO DINHEIRO PAGO NA COMPRA DE DÍVIDA PÚBLICA- ARRUINARAM A SEG SOCIAL E CULPARAM QUEM DESVONTA, BRINDANDO-LHES COM AUMENTOS BRUTAIS.

TAMBÉM TEM SAUDADES DOS MILHÕES DADOS DE MÃO BEIJADA ÀS ESCOLAS PRIVADAS

A MALTA DA PAFAS Há 2 semanas

TEM SAUDADES DO TEMPO EM QUE ARRUINOU A SEGURANÇA SOCIAL, EMPREGANDO 80% DO DINHEIRO PAGO NA COMPRA DE DÍVIDA PÚBLICA- ARRUINARAM A SEG SOCIAL E CULPARAM QUEM DESVONTA, BRINDANDO-LHES COM AUMENTOS BRUTAIS.

TAMBÉM TEM SAUDADES DOS MILHÕES DADOS DE MÃO BEIJADA ÀS ESCOLAS PRIVADAS

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub