Economia Patrões pedem à troika corte de outros custos em vez de salários
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Patrões pedem à troika corte de outros custos em vez de salários

Empresários querem alívio na carga fiscal e preparam nova batalha contra o fundo das indemnizações

É a rigidez dos salários que está a gerar desemprego. Esta ideia – que marcou as reuniõ

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 29.05.2012

Estes tipos são um exemplo do que empreendedorismo deste pais. Desde 1998 que estes vigaristas usam imensos esquemas fraudulentos,
como falsos contratos de prestação de serviços, falsas declarações à Segurança Social, etc. Nos últimos anos tem concentrado a sua acção
na contratação de vários estagiários ao abrigo do programa Inov e outros, estagiários esses que depois são colocados em clientes como consultores experientes.
Os programas do governo para incentivo ás PME (IAPMEI) também estão debaixo da mira destes vigaristas. Passam projectos de empresa para empresa e com isso recebem
Incentivos do estado, como se de projectos novos se tratasse: veja-se o exemplo do projecto Concillium usado pela Zon nas suas assembleias, ou
o produto MediaVision usado pela IWayTrade. Recebem ainda vários incentivos estatais por sediarem as suas empresas em lugares como Ílhavo e Santarém
(na vivenda do "Dr" Luis Gama), quando na verdade as sedes da empresas são em Lisboa.
Este vigarista, Luís Gama tem estado desde sempre envolvido em esquemas. Esteve envolvimento num esquema de burla na Servibanca,
com o seu amigo Renan Souza e sócio da Match-Profiler, esquema esse que foi trazido a publico pelos colaborados do Millenium BCP no blog do Zé Bancario.
Hoje encontra-se em esquemas com um dos directores de IT da Zon, o Paulo Rocha que coloca colaboradores da Sysmatch na Zon.
Tem ainda esquemas de colocação de estagiários em clientes, acordos esses firmados com o comercial da NetPeople, Luís Jorge.

Ate quando estes vigaristas ficam inpunes??

jrcoelho 29.05.2012

A TROIKA pede o ordenado médio mais baixo. Isto só se consegue baixando quem ganha mais.

isabel 29.05.2012

feizmente os empresários portugueses perceberam que os verdadeiros custas de produçao não são os salários mas sim:impostos elevados,justiça lenta e custos ENERGIA. Então porque não diminuem de forma SIGNIFICATIVA os custos da ENERGIA? A TROIKA tem legitimidade para se impor à EDP ,porque não o faz? A gente ficava muito agradecida....

JARANES 29.05.2012

O que preocupa estes biltres não é o facto de os baixos salários porem em causa o bem estar dos trabalhadores; o que os preocupa é que os trabalhadores não tenham dinheiro para comprar aquilo que produzem.
Ou seja, o que os preocupa é o negócio deles.
Com este tipo de patrões não se vai a lado nenhum.
A classe empresarial portuguesa só sabe sacar: saca ao estado, saca aos trabalhadores e saca ás próprias empresas.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub