Economia Paula Brito e Costa, ex-presidente da Raríssimas: “Merecia um pedido de desculpas do país”

Paula Brito e Costa, ex-presidente da Raríssimas: “Merecia um pedido de desculpas do país”

Os vestidos caros eram “para ir à rainha” e as gambas, a que é “alérgica”, foram servidas a diplomatas porque teria sido mais caro “levá-los ao Gambrinus”. Paula Brito e Costa está triste com os portugueses: “Merecia um pedido de desculpas do país”, disse ao "Expresso".
Paula Brito e Costa, ex-presidente da Raríssimas: “Merecia um pedido de desculpas do país”
Paula Brito e Costa, ex-presidente da Raríssimas
Negócios com Lusa 16 de dezembro de 2017 às 10:21

Em entrevista ao semanário "Expresso", publicada este sábado, 16 de Dezembro, Paula Brito e Costa reafirma que pediu uma auditoria externa à consultora PKF, que originou o afastamento da vice-presidente, Joaquina Teixeira, tendo sido entregue o relatório ao Ministério Público a 27 de Julho deste ano.

 

A ex-presidente da Raríssimas refere que informou o ministro da Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, dos resultados da auditoria.

 

"Fui ter com ele, levei a auditoria e contei toda a história. Foi uma reunião longa, fez-me muitas perguntas e acabou por responder que só faltava fazer uma coisa: entregar o relatório da auditoria às autoridades competentes. Foi o que fizemos", afirmou, na entrevista ao semanário.

 

Sobre esta denúncia, o Expresso adianta que "os serviços de inspecção e de fiscalização da Segurança Social não foram informados pelo ministro".

 

Paula Brito e Costa garante que Vieira da Silva não foi pago pela Raríssimas, referindo que "não tem uma areia onde se lhe toque sobre este caso".

 

"É uma das pessoas com a maior integridade que já vi na minha vida", defendeu.

 

Paula Brito e Costa disse ainda que descobriu "a única fraude que existiu" na associação Raríssimas, salientando que estão envolvidos "centenas de milhares de euros".

 

Sobre o processo no Ministério Público, a ex-presidente refere que "ainda ninguém foi ouvido".

 

"Pensámos em colocar o caso nos jornais em Agosto, mas preferimos resguardar a Raríssimas. Eles decidiram agora jogar por antecipação e retaliaram. Uns roubam verdadeiramente e eu, que comprei uns camarões para uns diplomatas, sou crucificada na praça pública", desabafou.

 

Os vestidos caros eram "para ir à rainha" e as gambas, a que é "alérgica", foram servidas a diplomatas porque teria sido mais caro "levá-los ao Gambrinus".

 

E manifestou-se triste com os portugueses: "Merecia um pedido de desculpas do país."




pub