Saúde Paulo Macedo: “O problema é as pessoas estarem a consumir medicamentos a mais”

Paulo Macedo: “O problema é as pessoas estarem a consumir medicamentos a mais”

Ministro da Saúde desvaloriza notícias que dão conta da falta de remédios nas farmácias.
Paulo Macedo: “O problema é as pessoas estarem a consumir medicamentos a mais”
Miguel Baltazar/Negócios
Marlene Carriço 26 de março de 2014 às 11:00

Afinal o problema em Portugal não é a falta de medicamentos, mas o consumo excessivo dos mesmos. O alerta foi deixado esta manhã, no Parlamento, pelo ministro da Saúde, Paulo Macedo, em resposta às críticas da oposição.

 

“O problema é as pessoas estarem a consumir medicamentos a mais. Não é normal termos consumido mais sete milhões de embalagens no ano passado. Não é normal em termos de saúde pública”, frisou o governante que está a ser ouvido esta quarta-feira, 26 de Março, na Comissão de Saúde, exemplificando com o caso dos antibióticos.

 

Por mês são consumidos mais de 20 milhões de embalagens de medicamentos, lembrou Paulo Macedo. Por isso, “dizer que não há medicamentos é uma coisa que não tem qualquer adesão à realidade. Claro que há pessoas com interesses concretos interessadas em dizer isso”, concluiu.




A sua opinião70
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Farmacêuticas agradecem 26.03.2014

Consomem porque os médicos receitam e os laboratórios agradecem com viagens, etc. Há trinta anos fui a um médico na Holanda e este receitou-me comprimidos, que me foram aviados avulso (8) onde o farmacêutico escreu o nome e modo de tomar. Por cá, são embalagens com dezenas, em que se tomam 1/3 e o resto fica no armário a perder a validade.
Alguns medicamentos tornaram-se em tomas vitalicias,mesmo sem necessidade.

comentários mais recentes
Anónimo 26.03.2014

Sr Ministro não precisa inventar nada ,copie onde se faz bem há décadas UNIDOSE palavra mágica ???????

maria 26.03.2014

esta frase s´o podia vr de um fracassado. será que alguem toma medicamentos porque quer?alguem adoeçe porque quer? vá gozando...quando chegar a sua vez diga que não quer remédios ou quem sabe a algum familiar seu. criminoso

Mocas 26.03.2014

Pois consomem, ou melhor, determinados especuladores "consomem" cá para vender com imenso lucro lá fora. Deixa de ser demagogo ou anginho Paulo Macedo pois até te tinha em boa consideração.
Quantos medicamentos mais raros e que pouca gente consome nao estão em falta nas farmácias? Claro que faltam. Faltam porque estão a ser desviados para países ond são vendidos com imenso lucro!

jose ferrao 26.03.2014

este sr (sr???) pode perceber muito de numeros mas de saude nao percebe nada...a falta de medicamentos é uma realidade ,porque se dantes davam viagens e premios aos medicos ,agora só mudaram os beneficiarios ,aqueles que exportam os medicamentos para paises onde tem os preços em valores normais e atraves de manobras conseguem exportar e aumentar os seus lucros em 500 e 1000%.o infarmed sabe os medicamentos em falta e mesmo assim permite aos armazenistas considerarem excedentes(os medicamentos ditos em falta sao canalizados para farmacias "amigas" que os devolvem e assim sao considerados excedentes)

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub