Política Paulo Portas defende que segurança é determinante para competitividade de Portugal

Paulo Portas defende que segurança é determinante para competitividade de Portugal

O ex-presidente do CDS-PP Paulo Portas alertou na terça-feira que a segurança é um valor "absolutamente determinante para a competitividade de Portugal", condicionando decisões sobre turismo e investimento, que deve ser seguida com a "mais rigorosa atenção".
Paulo Portas defende que segurança é determinante para competitividade de Portugal
Lusa 05 de julho de 2017 às 00:39

"Viaja-se para países seguros, investe-se em países seguros. A segurança é um valor absolutamente determinante para a competitividade de Portugal e tem de ser seguida com a maior e mais rigorosa atenção", defendeu Paulo Portas, enquanto orador da última das conferências 'Ouvir Lisboa', da candidatura da líder do CDS, Assunção Cristas, à presidência da Câmara da capital.

 

Na sua intervenção, Paulo Portas manifestou-se igualmente contra "uma dicotomia entre Lisboa quem cá nasce e Lisboa para quem cá vem", argumentando que "o turismo é uma extraordinária fonte de receita e quem precisa dele não dá um pontapé na criação de riqueza e nos impostos que cá deixam e nas receitas que cá deixam".

 

O ex-vice-primeiro-ministro aludiu também à "ajuda a que Lisboa tivesse mais futuro" e "mais receitas", com as quais "se fazem obras", dada pelo anterior Governo de coligação PSD/CDS-PP, com medidas como a reforma da lei das rendas ou as autorizações de residência por investimento. "Lisboa saiu da recessão, o imobiliário voltou a ter actividade, e esta cidade está desse ponto de vista num ponto muito interessante do ponto de vista económico", sustentou.

 

Sobre a questão da segurança, e sem aludir ao recente incêndio em Pedrogão Grande, no qual morreram 64 pessoas, nem ao furto de armamento em Tancos, o antigo líder centrista sublinhou que "há dez anos a segurança era um factor residual" na decisão de viajar para um país ou de investir nesse país. Hoje é "um valor hoje absolutamente determinante na decisão de uma família fazer uma viagem ou de uma empresa instalar um investimento", enfatizou.

 

"É muito bom ser uma cidade com uma história cosmopolita e estar na periferia de questões muito sérias como o terrorismo", afirmou, referindo que não se pensa em Lisboa como um destino para o qual se deixa de viajar ou investir por questões de segurança e "era bom" que todos dessem "um contributo" para que essa situação se mantenha.

 

A última das conferências ‘Ouvir Lisboa', nas quais Assunção Cristas recolhe contributos para a elaboração do seu programa eleitoral, teve por tema "Lisboa no Mundo", e, além de Paulo Portas, a intervenção da independente Laurinda Alves.

 

Com a presença do antigo presidente do CDS Adriano Moreira, a conferência teve moderação de Carmona Rodrigues, o antigo presidente da Câmara de Lisboa eleito pelo PSD que é o mandatário da candidatura e coordenador destas conferências. 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
eleitor 05.07.2017

Só cá faltava este irrevogável fala barato, este partideco CDS, cada vez que abre a boca é só para deixar sair as moscas !

Destruí o exercito com mercenários. 05.07.2017

O grande responsável por acabar com o recenseamento dos militares, criou despesa e desleixo nos quartéis , o PRÉ era pequeno,mas não deixavam roubar os bens do nosso estado,agora com orçamentos milionários até as armas são abandonadas ao Deus dará,os voluntários vão atrás do dinheiro .

lol 05.07.2017

Só faltava o irrevogável

Anónimo 05.07.2017

Por isso foi interveniente no "negócio" dos submarinos, isto é o que se chama ser visionário.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub