Angola Paulo Portas: transição em Angola "é para levar a sério"

Paulo Portas: transição em Angola "é para levar a sério"

O antigo vice-primeiro-ministro recusou-se a comentar o relacionamento entre Portugal e Angola, referindo apenas que o relacionamento com os países lusófonos é muito importante para a afirmação de Portugal no mundo.
Paulo Portas: transição em Angola "é para levar a sério"
Lusa 16 de janeiro de 2018 às 15:03

O vice-presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP), Paulo Portas, afirmou esta terça-feira, 16 de Janeiro, que a transição em Angola "é para levar a sério" e não "cosmética" como alguns analistas disseram.

 

Falando num encontro com empresários na sede da CCIP, em Lisboa, sobre as perspectivas económicas e riscos políticos para 2018 em diferentes geografias do mundo, o ex-ministro e ex-líder do CDS-PP disse que no caso de Angola "é uma transição para levar a sério", tendo também sinalizado como positivas as mudanças na política cambial e na de concorrência daquele país africano.

 

"Era evidente que havia na própria comunidade internacional a expectativa de que houvesse também mudanças na política cambial [mais flexível] e na política de concorrência", lembrou ainda aos jornalistas no final do encontro.

 

Parlo Portas realçou que estas mudanças são "muito importantes" para as empresas poderem expatriar os dividendos e fazerem os seus pagamentos.

 

O actual Presidente da República de Angola, João Lourenço, foi eleito nas eleições gerais angolanas de 23 de agosto, tendo sucedido à liderança de 38 anos de José Eduardo dos Santos.

 

Sobre o relacionamento entre Portugal e Angola Portas não quis fazer nenhum comentário, tendo referido apenas aos jornalistas que "o relacionamento [de Portugal] com os países lusófonos é muito importante, não apenas para a economia [portuguesa], mas para a afirmação [de Portugal] no mundo".

 

De acordo com Paulo Portas, o foco da sua intervenção "foi global", sendo que na ocasião abordou temas como os desafios da União Europeia, o impacto da administração Trump, o papel da China na política internacional, a crise do Médio Oriente, a evolução dos países da América Latina, o posicionamento geopolítico da Rússia e a situação em diversos países em África.

 

O que interessa às empresas portuguesas "é procurar olhar para o mundo", sublinhou Paulo Portas, lembrando que Portugal fez "um grande caminho" para ter uma economia mais exportadora e que "precisa [actualmente] como de pão para a boca" de capturar investimento.

 

Logo, "os empresários necessitam de saber onde há riscos e oportunidades", pelo que se trata de "uma questão relevante".




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 17.01.2018

Vejam só... virou sindicalista dos Patrões, só faltava esta linda prenda agora que não tem pelouro nenhum político opinar sobre os assuntos do Ministério dos Negócios Estrangeiros e sobre a independência do poder Judicial. Por isso não servem os interesses da classe média...

SALAZAR 16.01.2018

AINDA NÃO PRENDERAM ESTE CORRUPTO?

Tens menos dignidade que o meu cão, canalha 16.01.2018

A Paulinha mostrou, à saciedade, com a sua declaração aos media, que tipo de gente ( ele próprio, o vígaro Passos, Maria Albuquerque e outros ) nos desgovernou e roubou, durante 4 anos e meio.
Insinuou este pulha corrupto, por meias palavras, que Portugal deve baixar as calças, perante Angola.

Anónimo 16.01.2018

Nada aprendo com este bitaites, se fossemos um país a sério estaria agarrado e bem agasalhado.
-Entendimento com a Lusofonia claro que é importante para as partes se afirmarem, mas
no plural e não no singular.
Portugal está afirmado à nove séculos...

ver mais comentários
pub