Economia Paulo Macedo falha meta da troika na cobrança de taxas moderadoras

Paulo Macedo falha meta da troika na cobrança de taxas moderadoras

Saúde devia arrecadar mais 150 milhões de euros este ano e 50 no próximo. Estimativas do Ministério da Saúde apontam para um acréscimo da receita na ordem dos 74 milhões em 2012 e 26 milhões em 2013.
Marlene Carriço 05 de Novembro de 2012 às 19:21
O secretário de Estado da Saúde, Manuel Teixeira, admitiu esta tarde que o seu Ministério vai falhar uma das metas previstas no memorando de entendimento com a troika. O acordo previa um aumento de receitas com taxas moderadoras de 150 milhões de euros este ano e mais 50 milhões no próximo. Manuel Teixeira admitiu que, no final de 2013, a diferença face à meta traçada será de 176 milhões de euros.

“Em 2012 ficamos bem abaixo do objectivo e voltamos a ficar abaixo do objectivo em 2013 porque não conseguimos compensar a diferença com que entramos em 2013”, admitiu o governante durante a discussão do orçamento da saúde para 2013, no Parlamento.

Assim, em 2012 os hospitais e centros de saúde arrecadarão 164 milhões de euros, mais 74 milhões do que em 2009, e em 2013 encaixarão 190 milhões, menos 100 milhões do que o suposto.

Nem o forte aumento das taxas moderadoras no início do ano, nem o arranque da cobrança de multas pelo não pagamento das taxas foram suficientes para atingir a meta. Resta saber o que contribuiu para o falhanço: ou a diminuição da procura dos serviços ou o aumento do número de isentos.

Manuel Teixeira disse ainda que “o governo vai propor que este desvio na receita seja compensado com a contenção de custos já explicitadas no documento e que totaliza 487 milhões de euros no Serviço Nacional de Saúde (SNS)”.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


A Saúde não é para dar lucro, mas ponha os Médicos a cumprir o Horário e acabe com a acomulação de funções no privado, vai ver que já tem ai um corte de milhões PERMANENTE!!! Ou será que não lhe interessa!!!

Anónimo Há 3 semanas


A Saúde não é para dar lucro, mas ponha os Médicos a cumprir o Horário e acabe com a acomulação de funções no privado, vai ver que já tem ai um corte de milhões!!! Ou será que não lhe interessa!!!

Anon. O Reino de Cyprios Há 3 semanas

De que vale um orçamento feito em 500 ou 100 páginas de papel? Quando o mesmo nem sequer se queixa de numeros enormes que o subcarregam?. Sabe muito bem o Sr. Ministro Paulo Macedo que, a saúde é um serviço que nunca é rentável em nenhum País. Porém ainda hoje elogiava as PPP!... Pelo seu lado pode fazê-lo, enquanto eu acho muito negativo. Nunca poderei concordar que num Hospital esteja um doente enternado 4 dias e o Estado na alta tenha que pagar 30 dias. Não se trata de um erro, mas serão milhares o que o Estado tem a seu cargo com tanta honestidade. É negativa a prespectiva do Sr. Ministro em querer cobrar tanto dinheiro nas taxas moderadoras. Dado o estado económico das pessoas mais necessitadas, as mesmas retraiem-se em ir ao hospital, procuram não morrer à fome, sabendo que uma dor lhes pode ser fatal. Mas a Troika, o Governo, O BCE, FMI e Parlamento Europeu assim o decretaram. Vivemos mais ao menos no Limbo temporal da era dos Templários.

Quim Há 3 semanas

é incrivel como não há uma previsão que bata certo, mas os valores surpreendem sempre o governo.

Continuem a bater na mesma tecla...pergunto-me quanto tempo vai ser preciso até que percebam que esta forma não resulta....

ver mais comentários
pub