Impostos PCP admite compromisso do Governo para aumentar IRC a empresas com lucros acima dos 35 milhões

PCP admite compromisso do Governo para aumentar IRC a empresas com lucros acima dos 35 milhões

O líder do PCP reclamou hoje "um avanço" no "plano do compromisso" do Governo em aceitar, no Orçamento do Estado de 2018, o aumento do IRC para empresas com lucros superiores a 35 milhões de euros.
PCP admite compromisso do Governo para aumentar IRC a empresas com lucros acima dos 35 milhões
Pedro Elias
Lusa 09 de novembro de 2017 às 14:47

"Podemos dizer que há um avanço, particularmente no plano do compromisso com o Governo do PS", afirmou Jerónimo de Sousa relativamente ao aumento do IRC e do fim do corte de 10% no subsídio de desemprego, na sede do PCP, em Lisboa, após um encontro com a Intervenção Democrática (ID).

 

Apesar de "não jurar a pés juntos", o secretário-geral dos comunistas portugueses afirmou que "existe grande abertura" da parte do executivo para acolher as duas propostas quanto ao aumento do IRC e do fim do corte de 10% no subsídio de desemprego, decretado pelo Governo PSD-CDS.

 

Jerónimo de Sousa lembrou que ainda está em curso o debate na especialidade do Orçamento do Estado em que estas duas questões serão decididas, antes da votação final global do Orçamento, em 27 de Novembro.

 

"Avanços" na "posição conjunta" com PS

 

O líder do PCP admitiu ainda que a "posição conjunta" assinada há dois anos com o PS, para viabilizar o Governo, resultou em avanços, mas avisou que é "insuficiente e limitada" para as necessidades dos portugueses.

 

"Foi e está a ser importante aquilo que foi alcançado, mas tenham em conta que é insuficiente e limitado para as necessidades nacionais", afirmou Jerónimo de Sousa, após uma reunião com membros da Intervenção Democrática (ID), que integra a Coligação Democrática Unitária (CDU), com o PCP e Os Verdes. 

 

O secretário-geral do PCP afirmou que "com posição conjunta ou sem posição conjunta", assinada há dois anos, a 10 de Novembro de 2015, este é o caminho, o da reposição de rendimentos e direitos, sendo um desafio mantê-lo.

 

Para Jerónimo de Sousa, a "nova fase da vida política nacional", com o acordo parlamentar à esquerda, entre PS, PCP, BE e Verdes, que viabilizou o Governo minoritário de António Costa, concretizou muitas propostas dos comunistas, mas deixou dúvidas.   

 

"Se é verdade que concretizou muitas das propostas que colocamos, fica um ponto de interrogação enorme: como vamos resolver os problemas de fundo da sociedade portuguesa", argumentou.

 

E porque, "como diz o povo, 'não é possível sol na eira e chuva no nabal'", além da reposição de direitos e rendimentos "é necessário tomar medidas estruturantes para resolver estes bloqueios, estas imposições externas" da União Europeia, disse.

 

O secretário-geral do PCP insistiu na tese da contradição por parte do PS e do Governo, afirmando que "não se pode privilegiar os grandes grupos económicos e simultaneamente dar resposta aos anseios dos trabalhadores e do povo".

 

Nem se podem "considerar intocáveis esses privilégios, por via das PPP, dos benefícios da banca, sem dar resposta aos serviços públicos", apontou dando como exemplos a resposta, ou falta dela, por parte do Estado aos incêndios ou ao mais recente surto de "legionella".

 

Se esta solução política pode ser mais ou menos prolongada, Jerónimo remete a resposta para o executivo minoritário do PS, dando resposta aos "anseios dos trabalhadores e do povo".

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JCG Há 1 semana

Estes tipos do PCP dejetam propostas de medidas parvas e os oportunistas do Governo/ PS acolhem-nas.
O montante em euros de lucro de uma empresa não me diz nada: TEM DE SER COMPARADO COM OS CAPITAIS PRÓPRIOS APLICADOS NO NEGÓCIO.
Por exemplo, qualquer banco português pode apresentar mais de 35 milhões de lucros, mas tendo em conta o balúrdio de capitais próprios, dos acionistas, que neles têm sido injetados, a rentabilidade do investimento é miserável.

Anónimo Há 1 semana

sim, claro, o aumento dos impostos é a melhor forma de atrair investimentos! Está mais do que provado!
Mas para nos governar o requisito principal é ser-se idiota e burro!? Parece que sim!

Anónimo Há 1 semana

Não é o PS, Caimão. É o comunista encapotado que tomou de assalto não só o PS, que é um partido respeitável, mas também o país, com a sua geringonça. Agora temos que os sustentar, e se eles comem...o que nos fica caro. Mas o pior e mais difícil é aturá-los.

pertinaz Há 1 semana

ESTES IMBECIS DO PCP TÊM SAUDADES DA URSS E ÓDIO ÀS EMPRESAS...

MAS SÃO AS EMPRESAS QUE LHES PAGAM O SALÁRIO...!!!

ver mais comentários
pub