Política PCP anuncia apreciação parlamentar para revogar descida da TSU

PCP anuncia apreciação parlamentar para revogar descida da TSU

A deputada comunista Rita Rato confirmou esta quinta-feira que também o PCP irá pedir a apreciação parlamentar do diploma que visa a redução da TSU paga pelos patrões.
PCP anuncia apreciação parlamentar para revogar descida da TSU
Bruno Simão
Lusa 12 de janeiro de 2017 às 18:29
O PCP anunciou esta quinta-feira, 12 de Janeiro, que vai pedir a apreciação parlamentar do diploma que reduz a Taxa Social Única das empresas, prevista no acordo de concertação social que consagrou o aumento do Salário Mínimo Nacional, assim que for publicado.

A deputada Rita Rato anunciou no Parlamento a intenção dos comunistas de avançar com a apreciação parlamentar com vista à revogação da descida na Taxa Social Única, a contribuição das entidades empregadoras para a Segurança Social.

De manhã, o PSD tinha declarado que o partido votará favoravelmente eventuais apreciações parlamentares sobre o assunto suscitadas pelos partidos da esquerda para revogar a medida, tal como tinha já sido anunciado pelo BE.

O acordo obtido pelo Governo socialista e parceiros em Dezembro na concertação social, à excepção da CGTP, prevê uma subida do Salário Mínimo Nacional para 557 euros e a descida da Taxa Social Única em 1,25 pontos percentuais.

"Somos contra esta medida porque significa um prejuízo para a Segurança Social e coloca o Estado a subsidiar os baixos salários. O PCP, assim que o decreto for publicado, procederá à sua apreciação parlamentar para que, com todos os instrumentos que temos, a Assembleia da República se possa pronunciar", afirmou a parlamentar comunista.

Segundo Rita Rato, "o PCP sempre defendeu o aumento do Salário Mínimo Nacional para 600 euros em Janeiro", apesar de "valorizar o aumento que aconteceu", considerado "insuficiente".

"Relativamente à redução da Taxa Social Única, fomos sempre contra esta medida, quando foi um Governo do PSD a fazê-lo e, no ano passado, quando foi a decisão por parte do Governo do PS sobre esta matéria", continuou.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 12.01.2017

Esta coisa de governar uns dias com a esquerda e outros dias com a direita tem de acabar. Tem de haver um mínimo de coerência nesta espécie de governo. Escolheram governar com a esquerdalha é com eles que têm de se entender, seus Comunas do Largo das Ratazanas.

surpreso 12.01.2017

Os Orçamentos,de Estado,ou da SS não servem para pagar promessas eleitorais do Costa

Anónimo 12.01.2017

Coerência...

pub
pub
pub
pub